Arena de gladiadores de 1,8 mil anos é descoberta na Turquia

2 min de leitura
Imagem de: Arena de gladiadores de 1,8 mil anos é descoberta na Turquia
Imagem: Universidade Adnan Menderes/Divulgação
Avatar do autor

Uma arena de gladiadores da era romana foi descoberta nas colinas da antiga cidade de Mastaura, localizada no oeste da Turquia, conforme anunciaram pesquisadores da Universidade Adnan Menderes, recentemente. A estrutura, que teria sido palco de sangrentas batalhas, apresenta um bom estado de conservação e está parcialmente enterrada em um bosque na região.

Descrito como uma réplica do Coliseu de Roma, o anfiteatro turco, de 1,8 mil anos, foi encontrado durante uma expedição autorizada pelo Ministério da Cultura e Turismo do país, ocorrida em 2020, com o objetivo de realizar pesquisas arqueológicas em Mastaura.

A arena, com o característico estilo de anfiteatro circular similar ao usado em construções pelos romanos, estava coberta por “arbustos e árvores selvagens”, de acordo com o arqueólogo da Universidade Adnan Menderes Sedat Akkurnaz. Logo após a descoberta, foi preciso fazer uma limpeza da área para estudá-la melhor.

A estrutura está bem preservada.A estrutura está bem preservada.Fonte:  Live Science/Reprodução 

No início dos trabalhos, os pesquisadores já estimaram a idade da construção, que teria sido inaugurada por volta do ano 200 d.C., durante a Dinastia Severa. O período, marcado pelo governo sucessivo de cinco imperadores, entre os anos 193 e 235 d.C., foi uma época de grande desenvolvimento e riqueza em Mastaura, graças ao apoio dos administradores romanos.

Capacidade para 20 mil pessoas

Embora tenha um formato que parece inspirado no Coliseu, a arena de gladiadores da Turquia era bem menor. Construído em 70 d.C., o edifício da capital italiana tem paredes externas com 48 m de altura, arena central com diâmetro de 87 m x 55 m e capacidade média para 65 mil pessoas.

Com dimensões inferiores, a edificação turca conta com paredes externas de 25 m de altura, arena central com diâmetro de 40 m x 30 m e capacidade estimada entre 15 a 20 mil pessoas, segundo os pesquisadores, consistindo em uma arena de tamanho médio para a época da construção.

Parte da arena ainda está enterrada.Parte da arena ainda está enterrada.Fonte:  Live Science/Reprodução 

Durante a limpeza do local, os arqueólogos também encontraram alguns espaços diferenciados dentro do anfiteatro, como uma espécie de sala de entretenimento particular para espectadores que provavelmente tinham algum tipo de privilégio. A estrutura também dispõe de salas de espera para os gladiadores.

Segundo o diretor de Cultura e Turismo local Mehmet Umut Tuncer, a parte da estrutura que está enterrada chamou a atenção pela solidez, como se tivesse acabado de ser construída. Já nas áreas acima do solo, ainda é possível notar algumas fileiras de assento para o público, a arena de luta e as paredes que formavam a área externa do prédio.

Atração para moradores de cidades vizinhas

Outro detalhe revelado pelos pesquisadores é que a arena provavelmente funcionava como uma atração turística da região, atraindo moradores das antigas cidades da Anatólia Ocidental de Afrodisias, Magnésia, Éfeso, Priene e Mileto.

“Pessoas de cidades vizinhas estavam vindo a Mastaura para assistir aos grandes eventos na arena especialmente projetada para shows sangrentos”, afirmaram os pesquisadores. Entre as atrações, haviam lutas entre gladiadores e também entre animais selvagens, que geravam apostas na plateia.

As lutas entre gladiadores atraíam moradores de outras regiões.As lutas entre gladiadores atraíam moradores de outras regiões.Fonte:  Live Science/Reprodução 

Depois de desenterrar o anfiteatro de Mastaura por completo, a equipe de arqueólogos planeja iniciar os trabalhos de conservação e preservação da arena, corrigindo rachaduras nas paredes e pedras de alvenaria que estão caindo, entre outros problemas estruturais.

Eles também querem fazer varreduras a laser da estrutura, para criar uma imagem 3D da antiga arena de gladiadores.

Arena de gladiadores de 1,8 mil anos é descoberta na Turquia