Cientistas criam a menor unidade de memória atômica do mundo

1 min de leitura
Imagem de: Cientistas criam a menor unidade de memória atômica do mundo
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

Engenheiros da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram a menor unidade de memória atômica do mundo, reduzindo ainda mais o tamanho do dispositivo ultrafino que havia sido criado em 2018. A novidade foi apresentada em um estudo científico publicado na Nature Nanotechnology, no último dia 9 de novembro.

Neste novo trabalho, conduzido pelo professor do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da Universidade do Texas Deji Akinwande, os pesquisadores conseguiram diminuir a área da seção transversal para apenas um nanômetro quadrado.

Além de torná-lo mais fino que o dispositivo original, apelidado de atomristor, a nova técnica permitiu construí-lo com uma área transversal menor. “O Santo Graal científico para o dimensionamento está caindo a um nível em que um único átomo controla a função da memória, e isso é o que realizamos no novo estudo”, comentou Akinwande.

O novo dispositivo é ainda menor e mais fino que o atomristor.O novo dispositivo é ainda menor e mais fino que o atomristor.Fonte:  Universidade do Texas/Divulgação 

Esta versão criada agora foi classificada na categoria de “memristores”, uma área da pesquisa de memória centrada em componentes elétricos que têm a capacidade de modificar a resistência entre seus dois terminais, sem a utilização de um terceiro. Assim, ela pode ter um tamanho menor se comparada aos dispositivos atuais, além de apresentar maior capacidade de armazenamento.

Dispositivos menores, mais rápidos e econômicos

Construída nas instalações do Laboratório Nacional de Oak Ridge, a menor memória atômica do mundo possui capacidade de armazenamento de aproximadamente 25 terabits por centímetro quadrado. Essa quantidade é cerca de 100 vezes maior que a densidade de memória por camada dos dispositivos de memória flash atuais.

Além de criar memórias menores e de maior capacidade utilizando o dissulfeto de molibdênio, nanomaterial que foi a base do estudo, os pesquisadores acreditam ser possível aplicar a mesma tecnologia a centenas de outros materiais atomicamente finos.

A nova tecnologia pode trazer grandes avanços para a informática e outras áreas.A nova tecnologia pode trazer grandes avanços para a informática e outras áreas.Fonte:  Unsplash 

Dessa forma, teríamos chips menores, mais rápidos, inteligentes e de baixo gasto energético, favorecendo a indústria de eletrônicos de consumo, big data e sistemas de inteligência artificial, entre outras áreas.

Quem também pode se beneficiar com a técnica usada na memória atômica é o Departamento de Defesa dos EUA, que financiou o estudo, ganhando equipamentos mais compactos, inteligentes e eficientes.

Cientistas criam a menor unidade de memória atômica do mundo