Segunda onda de covid-19: como o Brasil pode enfrentar

2 min de leitura
Imagem de: Segunda onda de covid-19: como o Brasil pode enfrentar
Imagem: IOC/Fiocruz/Débora F. Barreto-Vieira
Avatar do autor

Enquanto a Europa lida com a segunda onda de covid-19, o Brasil vive um clima de "acabou a pandemia", com praias cheias e comércio reabrindo, mas já sentindo as consequências: nove capitais (Florianópolis, João Pessoa, Maceió, Belém, Fortaleza, Macapá, Natal, Salvador e São Luís) registraram aumento no número de infectados.

As praias do Rio de Janeiro se encheram em agosto deste ano.Praias do Rio de Janeiro ficaram cheias em agosto deste ano.Fonte:  Agência Brasil/Fernando Frazão 

"A possibilidade de uma segunda onda deve servir de alerta para que as autoridades locais repensem ou revertam políticas de flexibilização", disse ao jornal O Globo o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, sistema mantido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que usa registros do Ministério da Saúde (MS).

Segundo especialistas ouvidos pela BBC, é praticamente impossível o Brasil impedir que a segunda onda de covid-19 varra o país — como e quando são as incógnitas.

O que fazer

Só é possível saber o real quadro de infecções com a testagem em massa da população. "Onde não são feitos testes não são encontrados casos", disse o físico Silvio Ferreira, especializado em modelagem epidêmica. No Brasil, porém, metade dos testes aplicados é do tipo rápido, que aponta somente se a pessoa já teve o vírus, e não se ele está ativo.

O Instituto Butantan montou postos de testagem em estacionamento de shoppings, em São Paulo.Instituto Butantan montou postos de testagem em estacionamento de shopping em São Paulo.Fonte:  Agência Brasil/Rovena Rosa 

Em outubro, a China testou 4,75 milhões de pessoas na cidade de Kashgar depois que um único caso de covid-19 foi relatado.

Isolamento e rastreio

O protocolo determina tanto isolar os contaminados por 2 semanas como rastrear todos os que tiveram contato com o doente. O MS tem um aplicativo para isso (Coronavírus SUS), mas uma pesquisa feita em mil cidades pela Fiocruz mostrou que é o WhatsApp o grande aliado do Sistema Único de Saúde (SUS): mais de 40% dos acompanhamentos de pacientes são feitos por meio do app de mensagens.

Dados confiáveis

"Não temos certeza da precisão dos dados sobre a doença ou da frequência com que são disponibilizados. Não basta saber que ocorreram 100 mil casos; precisamos de dados sobre quando, como e quem", defendeu Ferreira.

.  Johns Hopkins/Reprodução 

Em junho, a Universidade Johns Hopkins chegou a excluir o Brasil do balanço global sobre a pandemia 1 dia depois de o governo federal mudar a forma como divulgava o avanço da doença no país.

Ações coordenadas

Em menos de 1 ano, o país teve três ministros da saúde e incontáveis brigas entre chefes dos executivos municipal, estadual e federal. O problema vai além de picuinhas políticas: a Universidade Oxford entrevistou prefeitos e gestores de saúde de 4.061 cidades brasileiras entre março e agosto e descobriu que as medidas de contenção adotadas não foram resultado de decisões conjuntas entre municípios vizinhos.

A flexibilização das regras de isolamento, em março, aconteceu sem sincronia entre os governos estaduais e federal.

Antecipar-se à segunda onda

A Itália somente percebeu a chegada do novo coronavírus quando ele já circulava pelos hospitais e os próprios médicos haviam se tornado vetores da doença. Os impactos de uma segunda onda só seriam percebidos muito tempo depois, quando fosse tarde demais para agir.

Com o relaxamento das restrições, as ruas voltaram a se encher em São Paulo.Com o relaxamento das restrições, as ruas voltaram a se encher em São Paulo.Fonte:  Fotos Públicas/Roberto Parizotti 

"Nossos representantes deveriam estar pensando desde ontem em como capacitar o sistema de saúde e reabrir ou ampliar hospitais e UTIs", disse o médico José Luiz de Lima Filho, da Universidade Federal de Pernambuco, à BBC.

Segunda onda de covid-19: como o Brasil pode enfrentar