CoronaVac é a mais segura entre as vacinas testadas no país

1 min de leitura
Imagem de: CoronaVac é a mais segura entre as vacinas testadas no país
Imagem: Sinovac/Reprodução
Avatar do autor

Mesmo com os resultados promissores alcançados pelo Instituto Butantan com a testagem da vacina CoronaVac em 9 mil pessoas de todo o país, faltam voluntários com idade acima de 60 anos para concluir o estudo a ser enviado para a avaliação e o registro da vacina do laboratório chinês Sinovac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A partir deste mês, a vacina será aplicada em idosos, portadores de comorbidades e gestantes.

Faltam voluntários profissionais de saúde acima de 60 anos para os testes da fase PROFISCOVFaltam voluntários profissionais de Saúde acima de 60 anos para os testes da fase PROFISCOV.Fonte:  Governo do Estado de São Paulo/Divulgação 

Segundo o diretor do Butantan, o hematologista Dimas Covas, ainda não há certeza de que a data 15 de dezembro, marcada como sendo o início da vacinação de profissionais de Saúde do estado, se concretizará.

“Precisamos da comprovação da eficácia da vacina em pelo menos 61 casos. É estatisticamente possível, mas não temos controle da realidade”, disse ele em entrevista coletiva hoje com o governador de São Paulo, João Doria.

Na ocasião, foram divulgados os resultados de segurança da CoronaVac. “É a vacina que tem o melhor perfil de segurança entre todas as que estão sendo testadas", disse ele.

.  Governo do Estado de São Paulo/Divulgação 

Doria tenta negociar uma parceria entre governo estadual e União na produção e distribuição da vacina contra a covid-19. Segundo ele, nesta quarta-feira (21), serão acertados detalhes da operação com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Verba federal

Perguntado se a prioridade seria imunizar a população de São Paulo, Doria afirmou que a distribuição das doses será feita dentro do calendário nacional de imunizações.

Em setembro, o governador prometeu que todos no estado seriam imunizados até fevereiro de 2021 (haveria um "plano alternativo" se um acordo com o governo federal falhar); hoje, ele se esquivou de responder se esse plano permanece.

“Tudo nos leva a crer que não teremos uma situação de confronto e sim de entendimento com base na ciência e na proteção das pessoas”, disse ele.

CoronaVac é a mais segura entre as vacinas testadas no país