Vacina russa se torna a primeira do mundo a ser aprovada

1 min de leitura
Imagem de: Vacina russa se torna a primeira do mundo a ser aprovada
Imagem: RDIF/Reuters
Avatar do autor

Mesmo sem ter sido concluída a Fase 3 dos testes clínicos, a primeira vacina contra a covid-19 do planeta, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Pesquisas em Epidemiologia e Microbiologia, recebeu a aprovação sanitária do governo russo e poderá ser produzida, comercializada e aplicada na população. O anúncio foi feito pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, em pronunciamento para todo o país.

Chamada de Sputnik 5 (em homenagem ao satélite de mesmo nome, o primeiro engenho humano a ser lançado ao espaço), a vacina ainda não passou pelos testes finais da Fase 3, que envolvem a inoculação de milhares de voluntários – quando se observam possíveis reações adversas e o tempo de duração da resposta imunológica. Entre o anúncio sobre o desenvolvimento da vacina capaz de combater o novo coronavírus e o de sua finalização, não se passaram dois meses.

Um voluntário toma uma das doses da vacina Sputnik 5, dentro da ainda incompleta Fase 3 dos testes clínicos.Um voluntário toma uma das doses da vacina Sputnik 5, dentro da ainda incompleta Fase 3 dos testes clínicos.Fonte:  VGC/Global Times 

“Sei que a vacina funciona de maneira bastante eficaz, forma uma forte imunidade e, repito, passou em todas as verificações necessárias”, disse Putin, citando que uma de suas filhas foi voluntária e recebeu as duas doses previstas para a inoculação.

Sem a prova final

Os planos, agora, são começar a produzir as doses necessárias para a imunização em massa, programada para outubro. Os primeiros a receber a Sputnik 5 entre agosto e setembro e de maneira voluntária serão membros do corpo médico russo e professores.

A vacina russa tem gerado desconfiança entre a comunidade científica internacional, principalmente por conta da pressa em sua aprovação antes que a Fase 3 dos testes clínicos tenha sido concluída.

Made with Flourish

Além da ChAdOx1 nCoV-19, vacina da Universidade de Oxford, e da Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech, o Brasil também vai produzir a recém-aprovada vacina russa, a cargo do  Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

Fontes

Vacina russa se torna a primeira do mundo a ser aprovada