Cientistas alemães descobrem que cachorros podem farejar coronavírus

1 min de leitura
Imagem de: Cientistas alemães descobrem que cachorros podem farejar coronavírus
Imagem: Reprodução
Avatar do autor

Pesquisadores da Universidade de Medicina Veterinária de Hanôver, na Alemanha, descobriram que cachorros são capazes de farejar o novo coronavírus com uma acurácia impressionante. Durante os testes, oito animais das forças armadas locais conseguiram identificar corretamente a presença do microrganismo em amostras 94% das vezes, isso depois de receberem treinamento de apenas uma semana.

Maren von Koeckritz-Blickwede, professora da instituição, atribui a habilidade à capacidade de detecção de mudanças de determinados processos metabólicos que ocorrem nos organismos de pacientes contaminados.

Apesar de já sabermos o que os bichinhos podem descobrir, como contrabandos e explosivos, “as pessoas ainda não percebem o potencial de cães para separar aqueles que estão com a doença daqueles que não”, afirma Holger Volk, chefe da clínica de pequenos animais.

Ainda segundo os cientistas, se testes laboratoriais confirmarem que os farejadores estão realmente prontos para a tarefa, áreas públicas, como aeroportos, estádios e fronteiras, e até aglomerações poderiam ser analisadas por eles. As amostras utilizadas eram completamente randômicas; ou seja, nem os donos nem os responsáveis pelo estudo sabiam quais estavam contaminadas.

Não é mero acaso

Para que tudo corresse bem, medidas de segurança extremas foram tomadas, como o uso de equipamentos de proteção individuais e a desativação do Sars-CoV-2, tornando-o incapaz de causar infecções.

De qualquer forma, contrariando as expectativas do chamado Efeito Hans Esperto, em que animais apenas respondem a pistas de quem os manipula em vez de resolverem problemas complexos, esses cachorros parecem, realmente, fazer parte do combate mundial que enfrentamos há meses.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Cientistas alemães descobrem que cachorros podem farejar coronavírus