Sequenciamento do coronavírus é a melhor arma para combatê-lo

1 min de leitura
Imagem de: Sequenciamento do coronavírus é a melhor arma para combatê-lo
Avatar do autor

O combate efetivo a doenças depende diretamente da compreensão de suas características. Recentemente, duas cientistas brasileiras se destacaram por terem feito parte da equipe que sequenciou o genoma do coronavírus em tempo recorde. O processo, que leva em média 15 dias, foi concluído em apenas 48 horas. Tais estudos são de suma importância para a saúde pública.

Com as informações coletadas nas pesquisas, uma série de medidas podem ser tomadas para conter a epidemia que já atingiu mais de 100 mil pessoas no mundo, contabilizando mais de 3 mil mortes.

Além de ajudar a entender como o vírus está se espalhando, essas pesquisas colaboram para o desenvolvimento de vacinas, curas e testes diagnósticos mais precisos. E mais: pistas relacionadas à origem e evolução do vírus podem auxiliar na montagem do “quebra-cabeça” histórico do microrganismo, esclarecendo as mudanças de atividade ocorridas por mutações e trazendo indícios do que pode ocorrer futuramente.

(Fonte: Unsplash)

Os segredos do genoma

Cada organismo contém um conjunto de DNA ou RNA, que traz em si informações sobre características variadas, como as físicas ou comportamentais. A partir do momento em que esse conjunto é “desvendado” com o uso de equipamentos de alta tecnologia, uma sequência representada por letras é exibida. O Sars-CoV-2, também chamado de coronavírus, por exemplo, tem aproximadamente 30 mil “caracteres” genéticos.

A partir do momento em que cientistas conseguem os resultados da análise, detalhes descobertos são disponibilizados em bancos de dados. Dessa maneira, países que forneçam esse tipo de informação contribuem com outros países em diversas partes do mundo – e o Brasil está exercendo um papel fundamental no cenário.

Entre os principais benefícios decorrentes do sequenciamento genético, identificar com mais certeza de onde surgem os casos evidencia em quais situações as medidas de combate devem ser reforçadas. No caso do Brasil, o sequenciamento permitiu identificar que a mutação dos casos confirmados veio da Europa. Logo, as atenções se voltam a práticas de medidas preventivas certeiras, com foco em quem viaja para os locais já detectados por este e outros sequenciamentos.

Rachel Roper, pesquisadora canadense que coordena um programa de vacina, em entrevista à revista The Scientist, é categórica: “Ter a sequência do genoma permite projetar vacinas com probabilidade de funcionar, com base no que sabemos sobre outros coronavírus. O sequenciamento do genoma é absolutamente crucial”.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Sequenciamento do coronavírus é a melhor arma para combatê-lo