Sirius: acelerador de partículas brasileiro registra as primeiras imagens

1 min de leitura
Imagem de: Sirius: acelerador de partículas brasileiro registra as primeiras imagens
Avatar do autor

As primeiras imagens registradas pelo Sirius, maior acelerador de partículas do Brasil, inaugurado em novembro de 2018, foram divulgadas pelo Laboratório Nacional de Luz Síncroton, responsável por administrar o projeto sediado em Campinas (SP).

Neste teste inicial, que consistiu no registro de imagens de raios-x tiradas do coração de um camundongo e de uma rocha, foi utilizada uma potência 13 mil vezes menor do que a projetada originalmente para o Sirius, de acordo com a BBC, possibilitando visualizar a chegada da luz síncroton pela primeira vez em uma das futuras estações experimentais do acelerador.

Em entrevista ao site do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), a cientista Nathaly Archilha, responsável pelas análises deste primeiro trabalho da máquina, afirmou que as imagens captadas durante o teste são um marco para o projeto, pois mostram que o novo acelerador funciona da maneira como foi planejado.

À esquerda a rocha e à direita parte de um ventríloquo de coração de camundongo. (Fonte: BBC Brasil/Reprodução)

A pesquisadora fez questão de ressaltar que os resultados obtidos impressionam e que a sua equipe poderá analisar amostras ainda maiores quando a estrutura estiver completamente pronta, como as rochas do pré-sal, por exemplo, citadas por ela.

O que faz o Sirius?

Com potencial para se tornar o acelerador de partículas de 4ª geração mais moderno do mundo quando estiver funcionando em sua totalidade, o Sirius possui a capacidade de analisar a estrutura e o funcionamento de estruturas micro e nanoscópias de maneira inédita.

Em uma explicação mais simples, é como se ele tirasse um raio-x em 3D e em movimento de partículas extremamente minúsculas e densas e de outros tipos de materiais, trazendo inúmeras possibilidades para a ciência e a tecnologia.

A previsão é de que o novo acelerador de partículas brasileiro esteja finalizado em 2020, contando com 13 estações de pesquisa e se tornando a maior fonte de luz síncroton do mundo.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Sirius: acelerador de partículas brasileiro registra as primeiras imagens