Imagem de: Astronautas da ISS registram imagem rara de vulcão em erupção

Astronautas da ISS registram imagem rara de vulcão em erupção

1 min de leitura
Avatar do autor

Astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (International Space Station — ISS) registraram o raro momento em que o vulcão Raikoke entrou em erupção no último sábado (22). Satélites também observaram o fenômeno ao identificarem uma pluma grossa (cinza gerada por erupções explosivas) que se elevava e depois se espalhava devido à circulação de uma tempestade ao norte do Oceano Pacífico.

Localizado na península russa de Kamchatka, o vulcão estava inativo desde 1924, o que torna o registro ainda mais único. "O anel de nuvens brancas e fofas na base da coluna [da pluma] pode ser um sinal de ar sendo arrastado para essa coluna e para a condensação de vapor de água. Ou pode ser uma nuvem crescente de interação entre o magma e a água do mar, porque Raikoke é uma pequena ilha, e fluxos provavelmente entraram na água", declarou o vulcanologista Simon Carn à NASA.

Imagem registrada pela ISS do vulcão Raikoke em erupção. (Fonte: NASA/Divulgação)

Atividade impacta clima e tráfego aéreo

Segundo a agência espacial norte-americana, satélites e centros de monitoramento do Japão e dos Estados Unidos observaram que as cinzas emitidas alcançaram cerca de 13 km a 17 km de altitude. Plumas vulcânicas dessa grandeza são capazes de chegar à estratosfera e permanecer por lá por mais tempo, impactando o clima. Ainda de acordo com a NASA, elas têm "fragmentos pontiagudos de rocha e vidro vulcânico", o que pode colocar em risco aeronaves que sobrevoam as proximidades do fenômeno. Isso inclusive teria alterado a rota de dezenas de aviões com destinos entre o Japão e os Estados Unidos nos últimos dias.

Imagem de satélite do vulcão em atividade. (Fonte: NASA/Divulgação)

Erupção não deverá atingir humanos

O vulcão Raikoke está localizado nas Ilhas Curilhas, arquipélago localizado entre o extremo oriente da Rússia até parte do Japão, nas quais há outros vulcões ativos. Isso significa que Raikoke se encontra em um espaço chamado Anel de Fogo do Pacífico, onde a placa tectônica do oceano entra em contato com outras. O local é conhecido por ter a maior concentração de terremotos e erupções vulcânicas do mundo; mas, por ser um lugar inabitado, as atividades recentes de Raikoke não deverão representar perigo para humanos em terra firme.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Astronautas da ISS registram imagem rara de vulcão em erupção