Robô semiautônomo usa Kinect para operações com resíduos nucleares

1 min de leitura
Imagem de: Robô semiautônomo usa Kinect para operações com resíduos nucleares
Avatar do autor

Os engenheiros da Lancaster University tem trabalhado no desenvolvimento de um robô semiautônomo com foco em questões nucleares, especialmente no que diz respeito a forma de lidar com os resíduos.

De acordo com a equipe por trás do projeto, o software desenvolvido para o robô consegue aumentar o potencial e até acelerar as ações que devem ser realizadas, a exemplo de uma operação de desmantelamento de resíduos nucleares.

O ponto chave, é dar ao robô mais “poder e independência”, mantendo a supervisão humana. A título de curiosidade, além de um novo software de imagem, os engenheiros também adicionaram uma câmera Microsoft Kinect no conjunto mecânico que ainda conta com dois braços manipuladores.

Robô Lancaster

O professor James Taylor, um dos responsáveis pelo projeto, destaca que as ações de descomissionamento nuclear hoje, são baseadas na teleoperação remota direta dos robôs e isso, traz uma série de complicações, pois determinadas operações se tornam extremamente difíceis para o humano que está no controle.

Fonte: Extremetech

Ao fazer uso de um sistema específico e um robô semiautônomo, parte dessa dificuldade é superada. O professor chama a atenção para o fato de que é um “meio termo”. Ou seja, enquanto ainda não existirem soluções completamente autônomas e seguras, essa pode ser a melhor solução.

O robô Lancaster, apresentado pela equipe é um claro exemplo disso. Ele conta com determinadas habilidades autônomas, mas quem o “pilota” é um operador humano.

Para exemplificar melhor a importância de projetos nesse sentido, James faz uma comparação entre o robô Lancaster e o método tradicional, no qual o operador usa um joystick.

Segundo ele, os testes realizados mostraram uma grande vantagem em relação a manual, bastando apenas poucos cliques para que o robô analisasse o terreno, os objetos e executasse a ação necessária. Enquanto que no modelo tradicional, quanto mais complexa a ação, mais demorada e difícil sua execução ficava, especialmente pelo fator da dependência do humano.

No entanto, o grande problema com os testes é que eles foram feitos em laboratório. Ou seja, um ambiente bem diferente de uma condição real.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Robô semiautônomo usa Kinect para operações com resíduos nucleares