Uma ampla biblioteca foi levada ao espaço pelo foguete Falcon 9, da SpaceX, no final de fevereiro. O acervo viajou a bordo da sonda Baresheet, de Israel, que tem como objetivo explorar a superfície da Lua.

Sua coleção é composta por 30 milhões de páginas com conteúdo da Wikipédia, além de compilados de linguagens humanas, livros, mapas, fotografias, dentre outros. A ideia é que ela possa ter o máximo possível de assuntos relacionados com a civilização humana e o planeta Terra.

O backup foi apelidado de “The Lunar Library” – em português, “A Biblioteca Lunar” – pela The Arch Mission Foundation (AMF), ONG norte-americana que organiza arquivos terrestres culturais para serem enviados ao Sistema Solar.

Fonte: NanoArchival.

Já os documentos, foram codificados em 25 discos de níquel com espessura de apenas 40 mícrons, ou seja, próxima à de um DVD. Esse formato altamente resistente foi projetado pela NanoArchival, empresa especializada em produzir arquivos digitais, e pode permanecer intacto no espaço por bilhões de anos.

A AMF também foi responsável por preparar um arquivo a bordo do famoso Tesla Roadster vermelho, de Elon Musk, na missão de teste da Falcon Heavy rumo a Marte, iniciada em 2018. No caso, foi enviada a trilogia “Foundation”, de Isaac Asimov, codificado em um disco de vidro de sílica de quartzo, produzido para durar milhões de anos.

Por que esses materiais estão sendo enviados para o espaço?

A ideia ao enviar esses documentos digitais é garantir o registro sobre fatos referentes à Terra e à civilização humana, caso algo extremo aconteça por aqui, como desastre climático ou nuclear.  

Fonte: Reprodução/SpaceIL.

“Embora eu esteja otimista de que a humanidade irá enfrentar o desafio e desenvolver uma iniciativa multinacional de defesa planetária para mitigar esses riscos planetários, também é prudente ter um plano B”. “Em vez de um backup em um só lugar, nossa estratégia é ter muitas cópias, em muitos lugares – e planejamos enviar atualizações regularmente”, disse Nova Spivack, cofundadora da AMF, ao site CNET.

Por enquanto, a sonda Baresheet continua sua viagem rumo à Lua juntamente com a biblioteca. A previsão é que isso aconteça em 11 de abril deste ano. Depois dessa missão, outras semelhantes ainda devem acontecer, já que o plano da AMF é criar uma espécie de “rede planetária” com arquivos digitais terrestres.