NASA conseguiu desenvolver um novo reator nuclear que funciona no espaço. O anúncio é importante para a agência porque mostra avanços na possibilidade de planejar missões de exploração espacial mais longas, possivelmente levando tripulantes para Marte ou planetas mais distantes.

Isso pode ser possível utilizando a energia gerada pelo reator batizado de KRUSTY (acertou quem disse que o nome é uma referência aos Simpsons) que usa fissão nuclear para produzir 10 quilowatts de energia por cerca de dez anos. A NASA diz que quatro reatores desse modelo seriam suficientes para sustentar uma base lunar.

Ainda não há planos de enviar o KRUSTY para o espaço, mas ele continua sendo testado para garantir que vai funcionar mesmo em situações extremas, como falhas no sistema ou a necessidade de ser completamente desligado para alguma manutenção durante a missão.

Este não será o primeiro reator nuclear a funcionar no espaço, mas todos os equipamentos criados anteriormente — a maioria durante a época da Guerra Fria — ficavam longe de conseguir produzir energia suficiente para manter uma equipe de astronautas. Os trabalhos no KRUSTY devem continuar até que ele seja transferido para o programa de Demonstração de Tecnologia de Missão em 2020.