Cientistas da China conseguir produzir dois clones de macacos usando a mesma técnica utilizada para criar um dos clones mais famosos da história: a ovelha Dolly, considerada a primeira cópia genética bem-sucedida feita com um mamífero. Já houve tentativas anteriores de clonar primatas não humanos, mas nenhuma delas produziu animais desenvolvidos, apenas embriões.

Apenas dois bebês saudáveis de macaco nasceram de mais de 60 mães de aluguel

A técnica usada para realizar esse tipo de procedimento é chamada Transferência Nuclear de Células Somáticas e consiste em usar o núcleo de uma célula de algum tecido, como a pele, e inseri-lo em um óvulo do animal que teve seu núcleo removido. Isso deve ser tratado com enzimas – a parte mais delicada do processo – para que volte a um estado embrionário como se fosse um óvulo naturalmente fecundado. Ele é implantando, então, em uma mãe de aluguel para se desenvolver normalmente.

Atividade polêmica

Segundo os pesquisadores chineses envolvidos na clonagem, uma série de novas técnicas desenvolvidas por eles foi a chave para conseguir produzir clones saudáveis. Isso abre um novo horizonte no estudo de células-tronco que pode mudar a biologia e a medicina como um todo. Existem também questões de ética que ainda influenciam muito nesse tipo de trabalho e que podem, dependendo como forem tratadas, adianta ou atrasa esse tipo de estudo.

É claro, ainda existe muito a ser trilhado: apenas dois bebês saudáveis de macaco nasceram de mais de 60 mães de aluguel. E os pesquisadores só conseguiram reprogramar células de tecido fetal, não células adultas. Os desafios ainda são enormes e estamos muito longe de conseguir produzir clones saudáveis em massa, seja pelo bem ou pelo mal.