Quando você se autodenomina uma das maiores rivais da Tesla e prepara um megaevento que tem como um dos principais anúncios o novo carro da marca, o mínimo que se espera é que, sei lá, o veículo apareça, certo?

Pois bem, o pessoal da LeEco, a gigante de tecnologia conhecida como “a Netflix Chinesa” e que também fabrica smartphones e outros gadgets, passou por uma situação bem peculiar: durante um evento organizado para a imprensa no Vale do Silício, o CEO e fundador da companhia, Yueting Jia, teve que entrar a pé no palco porque o carro da empresa, o LeSEE, não chegou a tempo para a apresentação.

É isso mesmo: luzes, fumaça, expectativa e... Jia entra com um sorrisinho no rosto no lugar do carro. “Não era eu que deveria estar correndo aqui, mas não tivemos outra opção”, explicou o CEO.

É um carro? Um avião? Não: é a caminhada da vergonha

Segundo o executivo, o LeSEE que deveria ir para o evento “sofreu um acidente terrível”, mas não deu qualquer detalhe a respeito. Até aí, tudo bem, acidentes acontecem. 

No entanto, eles conseguiram levar um segundo modelo – que estava em Londres para as filmagens do quinto filme da franquia Transformers – e, curiosamente, também houve um atraso no translado entre Londres e São Francisco, que Jia aproveitou para traçar um paralelo das dificuldades que a própria LeEco teve que enfrentar durante sua jornada.

Para não dizer que foi um fiasco completo, a montadora conseguiu expor o veículo depois da apresentação, mas no centro de experiências da LeEco, um local bem longe do palco onde ele deveria ter aparecido originalmente em toda sua eletricidade e autonomia.

Diga-se de passagem, havia a expectativa de que o veículo pudesse, talvez, fazer sua entrada utilizando as tecnologias de direção autônomas que a empresa alega que ele possui, mas isso também não aconteceu e, assim sendo, foi o suficiente para que muitas pessoas estejam questionando se o LeSEE sequer funciona.

Essa impressão é reforçada pelo fato de que a LeEco não forneceu mais detalhes técnicos a respeito do modelo e limitou-se a dizer que ele faz parte de um pacote de produtos que a empresa pretende comercializar.

A vergonheira pode ser conferida na íntegra a partir da marca de 1h20 da transmissão abaixo:

Vale apontar que a LeEco também é a empresa por trás dos investimento financeiros feitos na Faraday Future, fortemente envolvida com o desenvolvimento de um superesportivo elétrico que deve ser apresentado na CES 2017.