Imagem de: Brasileiro ajuda equipe a enviar sonda de exploração lunar para o espaço

Brasileiro ajuda equipe a enviar sonda de exploração lunar para o espaço

2 min de leitura
Avatar do autor

Wesley Faler (esq.), Thomas Kunze (centro) e Cláudio Martins (dir.), da Part Time Scientists (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)O palco Galileu é um dos grandes destaques da Campus Party Brasil 6 (CPBR6), já que reúne a maior concentração do evento de pessoas interessadas em astronomia, robótica e outras ciências. Hoje (30), foi a vez da equipe “Part Time Scientists” contar como está o projeto de desenvolvimento de um robô que deve explorar a superfície lunar até o ano de 2015.

Participando oficialmente da competição Google Lunar X Prize, a equipe pretende ganhar US$ 30 milhões (cerca de R$ 60 milhões) em prêmios, que atualmente são disputados por mais de 20 equipes. Os membros da equipe, Wesley Faler, Thomas Kunze e Cláudio Martins — que trabalha diretamente do Rio Grande do Sul —, vieram até a CPBR6 para conversar com o público e contar um pouco dos detalhes e desafios que enfrentam no desenvolvimento do projeto.

A equipe também trouxe alguns robôs para a CPBR6 (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

E os desafios não são poucos. Para começar, os integrantes precisam adaptar os componentes eletrônicos de seu robô para que possam resistir ao ambiente agressivo do espaço. Um desses problemas, por exemplo, é a radiação emitida por raios cósmicos e que pode acabar com circuitos muito sensíveis.

Desafios astronômicos

Além disso, Faler também explicou que o espaço não é neutro eletricamente, graças aos campos magnéticos presentes em planetas e outros corpos celestes. E assim como na Terra, diferentes cargas tentam se igualar quando interagem uma com a outra. Nesse processo, faíscas podem inutilizar completamente o equipamento enviado.

Outras preocupações incluem a interação com plasma e, obviamente, a resistência a impactos, visto que o robô precisa sobreviver ao pouso na superfície do nosso satélite natural para começar a coletar dados e enviá-los para a Terra. E por falar em dados, essa é justamente a missão de Cláudio Martins na equipe: garantir a integridade das informações coletadas pelos sensores da sonda e enviá-las com segurança para a Terra.

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)Como se não bastasse, a Lua, que foi visitada por um participante ilustre da Campus Party Brasil, também oferece uma última ameaça ao projeto da Part Time Scientists: regolito, ou seja, os fragmentos de rochas que cobrem a superfície lunar. Essas partículas são tão pequenas que podem entrar em qualquer abertura mínima que a sonda apresentar, o que pode causar falhas mecânicas.

A competição deve render boas imagens para quem fica na Terra: uma das exigências do concurso é a de que a sonda possa capturar vídeos em alta definição da Lua e é claro que esse material será amplamente divulgado na internet, para o nosso deleite. Segundo Martins, o lançamento da sonda, quando acontecer, também deverá ser transmitido em tempo real pela web. Portanto, fique atento no progresso da equipe!

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Brasileiro ajuda equipe a enviar sonda de exploração lunar para o espaço