O Bate-Papo da UOL é um dos grandes pilares da comunicação entre brasileiros na internet, no mesmo hall da fama de gigantes como ICQ, MSN Messenger e scraps no Orkut. Muita gente fez amores ou amizades por lá e conversou reservadamente ou para Todos durante horas sobre os mais diversos assuntos nas salas fixas, livres ou abertas por assinantes.

Só que isso faz muito tempo. Nos dias de hoje, o brasileiro já superou esse serviço definitivamente para dar lugar às redes sociais e aos mensageiros no smartphone. Ou será que não?

O TecMundo entrou no Bate-Papo da UOL em 2017, passou algum tempo nas salas e teve uma experiência quase antropológica. A seguir, conheça um pouco mais sobre o serviço: o chat mais famoso do país não só ainda existe, como também continua ativo e bem parecido com a época de ouro.

No princípio, era o verbo: quer tc?

O Bate-Papo da UOL nasceu em 1996. Nesse ano, a internet era só mato no Brasil: poucos tinham acesso, e a rede era via um discador barulhento e CDs de operadoras. Pedir para “teclar” (ou “tc”, para os mais descolados) com alguém era o suficiente para engatar uma conversa com qualquer pessoa, sem saber se ela era ou não quem de fato dizia ser.

A interface da UOL em 1996

Muito antes de qualquer ideia de Facebook existir, o funcionamento era bem peculiar. Você não tinha conta fixa nem montava perfil: bastava escolher o nick e entrar na sala — se ela não estivesse cheia, que era uma limitação para os não assinantes.

O UOL tem 21 anos. Ele é dono de outro clássico dos tempos áureos, o BOL, e já foi provedor de internet discada

Com o tempo, fora as conversas espontâneas, o UOL (que é uma sigla para Universo Online, o que pode ser um choque para muita gente) criou o “Bate-Papo com Convidados”. Esses chats especiais e com data marcada reuniam atores, músicos e outras personalidades brasileiras para teclar diretamente com o público.

“Em 1997, a possibilidade de falar diretamente com um ídolo não era simples. Poucos artistas tinham sites e redes sociais não eram uma tecnologia disponível. Então pensamos que o Bate-Papo poderia ser uma importante ponte entre o anônimo e o famoso", explica o atual gestor da plataforma, Ricardo Fotios. Ele também foi editor do BP com Convidados entre 1998 e 2001.

Ricardo Fotios: "Temos inúmeras histórias de amizades, casamentos e tantas outras reuniões motivadas pelo Bate-papo UOL. Ele sempre teve talento para ser uma balada lotada"

Se hoje você pode mandar mensagens para os seus ídolos a qualquer momento no Twitter ou no Facebook, antes essa era uma oportunidade única.

Revisitando uma lenda                                               

A minha primeira surpresa quando entrei na página principal do Bate-Papo da UOL foi a quantidade de pessoas online: mais de 60 mil em um começo de tarde de sexta-feira. Pois é: de acordo com a UOL, no final da década de 1990 eram cerca de 30 mil participantes simultaneamente, com picos de 1,5 milhão de visitas diárias. Em maio de 2017, a participação simultânea é o dobro disso, com picos de visitas de mais de 2,5 milhões.

Hoje o público tem mais opções de navegação? Sim, mas a quantidade de brasileiros online também é muito maior

Nas salas, mais novidades e até um tutorial para explicar as adições. Acontece que, na comemoração de 20 anos, em 2016, ele recebeu uma repaginada de visual e uma série de recursos novos. Agora, ele até tem um aplicativo para Android e iOS!

O estilo das salas continua o mesmo: existe separação por estado e cidade, com municípios de todo o Brasil — de capitais até locais mais isolados. Tem também modalidade de amizade, namoro, “papo sério” (de Filosofia até Futebol) e as criadas por assinantes com título livre. Por último, mas não menos importante, são vários os espaços lá dentro para sexo, da prática virtual à marcação de encontros presenciais.

Sim, as salas mantêm as mensagens 'reservadamente' e o 'para Todos' até hoje

No chat, é possível enviar áudios e imagens (autorizados para serem abertos mediante clique dos usuários), além de usar nicks coloridos. A mais recente novidade é o "Agora no BP", que permite a você abrir vídeos ao vivo ou gravados sem sair da sala — garantindo assunto ou uma distração enquanto aguarda as mensagens.

Os melhores momentos

Passeamos por diversas salas do Bate-Papo da UOL durante manhãs, tardes e noites para entender o que o brasileiro faz nesse gigante da internet brasileira em 2017. Confira abaixo alguns dos registros.

Um dos novos recursos da interface atual é o "Agora no BP". Ele permite que você confira vídeos recentes sem sair da janela do chat.

Sim, o papo e eventuais paqueras continuam rolando.

E os nicks continuam iguais aos da época de ouro.

Em algumas salas, tudo o que você vê fora das mensagens privadas é o entra e sai de pessoas.

Mas foi só colocarmos um nick feminino, que começaram a chover mensagens no reservado.

Na sala de Inglês, as pessoas conversavam... Em alemão?

E sim, o chat ainda junta pessoas com interesses em comum.

Na sala "Filosofia", a discussão era mesmo profunda.

Mas a conversa mais eclética e surreal com certeza foi na sala "Católicos", onde entram simpatizantes e críticos da Igreja.

Só que o conteúdo sexual é mesmo predominante por lá. Olha só as salas abertas por assinantes de temas adultos (e a quantidade de pessoas em cada uma).

Nesses chats, a propaganda de sites e perfis do Skype com shows privados rola solta, polui a timeline e deve incomodar quem só quer conversar e conhecer alguém.

Mas nem todos os spams são relacionados com sexo. Alguns são bem peculiares.

Não é só a sacanagem que move o chat hoje. Mas o tema é bastante presente. “Não temos nada contra os relacionamentos sexuais, virtuais ou não. Amor e sexo livres e consensuais são bandeiras do Bate-papo UOL desde sua inauguração", ressalta Fotios. Porém, ele afirma que as propagandas "incomodam muito" e que o site trabalha para melhorar os filtros.

Por que o bate-papo foi (e ainda é) tão marcante?

São poucos os serviços online da década de 1990 que permanecem inalterados em sua essência e tão vivos até hoje. Como isso é possível? O gestor do Bate-Papo da UOL acredita em explicações técnicas e comportamentais para isso.

Para começar, a plataforma é fácil de usar, abre em computadores menos potentes e, finalmente, é segura.

Só escolher o nick, uma cor e uma foto opcional. Isso é o suficiente para começar a conversar.

Mas o significado mais profundo é mesmo o social. E, para o executivo, são dois os motivos que levam ao sucesso do serviço:

1) O lado lúdico de se fantasiar não com roupas, mas com apelidos, e viver experiências de relacionamentos diversos em ambiente estável e conhecido.

2) A possibilidade de ultrapassar barreiras de preconceitos e dogmas sociais ao encontrar pessoas que pensam a vida de forma parecida.

O brasileiro que passou horas conversando com certeza se enquadra em um desses itens. Um dos maiores exemplos citados é a comunidade LGBT no país, que encontrava nas salas virtuais um local de aceitação e conversa.

Curiosidades

Ao longo dos anos, as salas de Bate-Papo da UOL renderam grandes histórias, como você pode ver abaixo. Tem alguma delas para contar? Deixe nos comentários!

  • As salas dedicadas a cidades e regiões sempre foram as preferidas do público.
  • Cada sala tem capacidade para 60 participantes, mas não assinantes só podem ocupar 40 desses lugares.
  • Em 2013, uma advogada espalhou faixas por Belo Horizonte para tentar achar um pretendente que conheceu no chat.
  • Em 2014, o Bate-Papo UOL era considerado pelo Serasa Experian o décimo serviço social ou de fórum mais acessado do país. Ele estava na frente do Google+.
  • Os integrantes da banda Detonautas se conheceram em salas do Bate-Papo da UOL em 1998.
  • O Chat do portal Terra, que também era popular na época, ainda está em atividade.


"Bate-papoception": o Detonautas volta ao chat da UOL, agora como astro convidado.

Nossa, mas quem ainda entra lá?

Acontece que muita gente, de diferentes idades e classes sociais. "A ideia é continuar sendo relevante na vida dos internautas brasileiros, manter as características tecnológicas vencedoras e evoluir no sentido de não se distanciar da realidade dos recursos atuais", define o gestor.

A UOL nega que o chat seja rival de redes sociais e mensageiros por vários motivos, inclusive privacidade. A empresa garante que não coleta dados de navegação nem envia emails aos usuários. A companhia coloca comando na mão dos participantes, que podem até denunciar comportamentos inadequados.

Seja para passar o tempo ou conhecer o amor da sua vida, o serviço acumula mais de duas décadas de existência sem sinais de desgaste

E Fotios o defende com vontade. “O Bate-Papo UOL não é um legado na companhia. É uma fortaleza", conclui.

Pelo visto, o Bate-Papo UOL não só continua existindo, como também ainda se mantém um meio relevante para que brasileiros possam se comunicar na internet. Pegando emprestado um meme que surgiu vários anos depois das salas de chat, muitos achavam que ele estava na pior. Mas, se isso é estar na pior...