Teclepatia: seu cérebro pode fazer mais do que pensarMindWave: (Fonte da imagem: NeuroSky)

A ficção científica e as histórias que se passam no futuro sempre fizeram muito sucesso nos mundos da literatura e do cinema. E talvez um dos principais motivos de elas agradarem tanto à galera seja o fato de que os seus autores sempre abusaram da criatividade na hora de criar dispositivos incríveis e com funcionalidades ainda impensadas por todos nós.

Contudo, à medida que a tecnologia vem evoluindo, muita das ideias mirabolantes desses gênios das artes acabam se tornando, de uma maneira ou de outra, realidade. Com isso, muitas invenções, aos poucos, começam a entrar nas vidas das pessoas.

No meio delas, estão  tecnologias que podem nos ajudar a explorar ainda mais a capacidade de nossos cérebros e fazer com que possamos controlar outros dispositivos por meio de nossas mentes. Será que estamos próximos de fazer tudo usando somente a cabeça?

Abaixa o volume!

A chinesa Haier não é muito conhecida aqui no Brasil, mas já é uma das maiores fabricantes de eletrônicos do mundo. Buscando crescer e se tornar conhecida em mercados de todo o planeta, a empresa vem investindo em novas tecnologias que têm chamando a atenção em alguns eventos. Uma delas é a chamada Brain Wave TV.

TV controlada pela mente é demonstrada na CES 2012(Fonte da imagem: Reprodução/PCMag)

O projeto já foi levado pela companhia em feiras de eletrônicos do mundo todo, como a CES 2012 e mais recentemente a IFA 2012. Trata-se de uma televisão que pode ser controlada por meio da mente de quem está assistindo.

Nas demonstrações, a companhia dá aos visitantes um periférico em forma de arco que deve ser colocado sobre a testa enquanto um clipe é preso ao lóbulo da orelha. Com ele posicionado, a ideia é participar de um mini game, fazendo com que um barril que aparece na tela da TV estoure. A demonstração é simples, contudo a empresa promete a evolução do conceito, que permitirá a você mudar de canal ou controlar o volume da televisão diretamente com a sua mente.

Outro periférico, também da Haier, utiliza um dispositivo semelhante ao receptor do Kinect, da Microsoft. Por meio dele, a TV identifica o movimento dos seus olhos e atende a alguns comandos específicos. Dessa forma, pousar os olhos em um canto da tela acessaria um menu, enquanto que piscadelas em uma determinada direção fariam você escolher alguma opção, por exemplo.

Jogos e aplicativos com o poder da mente

Um conceito muito parecido com o da Haier já está disponível no mercado – e, inclusive, foi testado por nós do Tecmundo. O MindWave funciona com o mesmo mecanismo apresentado pela televisão e também utiliza-se de um headset ligado à testa.

Análise: MindWave [vídeo](Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

A ideia do aparato é permitir que você controle pequenas aplicações instaladas em seu computador ou em seu smartphone. O que ele faz é, basicamente, captar dois tipos de atividades das suas ondas cerebrais: meditação e concentração.

Feito isso, o MindWave já converte estes “pensamentos” em comandos e os envia por Bluetooh ao aparelho conectado a ele, seja o PC ou o gadget portátil. Clique aqui para ler nossa análise completa e saber o que achamos do seu funcionamento.

Ligado ao computador

Outra maneira sendo estudada é a opção de ligar o cérebro diretamente ao computador. Atualmente, os cientistas buscam algumas alternativas de conseguir fazer isso, tudo para que as pessoas possam ser capazes de controlar máquinas ou passar os seus sonhos para a tela de um PC, por exemplo.

Há inclusive pesquisas sendo realizadas por estudiosos brasileiros, como Miguel Nicolelis, por exemplo. Em seus trabalhos, ele conseguiu decifrar algumas pequenas descargas elétricas e fazer com que o órgão seja visto como uma espécie de intérprete de comandos.

Dessa forma, novos aparelhos poderiam ser conectados ao “sistema” cerebral. Há também algumas ideias ainda mais ousadas, como o projeto russo que quer transferir a mente humana para um novo corpo, totalmente robótico.

A teclepatia

A teclepatia (ou telepatia sintética) pode ser definida como a utilização de novas tecnologias para ler o pensamento de seres humanos. Para isso, essa área de estudo utiliza computadores, equipamentos médicos, sensores e toda a sorte de equipamentos para ajudar nessa complicada tarefa.

Pode parecer algo longe de se tornar realidade, mas saiba que alguns pesquisadores da Universidade de Berkeley, na Califórnia, já conseguiram resultados interessantes, como traduzir em sons alguns impulsos elétricos captados no córtex auditivo do cérebro.