Seguindo os vazamentos do início desta semana, mais uma leva de dados do site de traição Ashley Madison foi vazada na web. Anteriormente, nomes reais, dados de cartões de crédito, endereços e registros de transações tinham sido publicados, mas, agora, apenas um bocado de código-fonte do site e registros de emails foram publicados.

Esses dados trazem código de outras páginas do mesmo grupo do Ashley Madison, que também servem como espaço para pessoas casadas darem “uma pulada de cerca”. Ao que parece, o que motivou o grupo de hackers Impact Team a invadir e roubar os dados dos sites foi o fato de o Ashley Madison cobrar US$ 19 dos usuários para que todos os seus dados fossem definitivamente deletados da plataforma. Acontece que, mesmo pagando, esses dados permaneciam armazenados por lá.

A prova dessa “malandragem em cima de malandros” foi o fato de pessoas que pagaram para serem eliminadas dos bancos de dados terem encontrado seus nomes na lista de usuários que foi vazada no começo da semana. O FBI e a polícia canadense investigam o caso.

Mapa interativo

Como esse caso virou uma verdadeira piada na web, com milhares de usuários “puladores de cerca” tendo seus nomes e endereços vazados, o pessoal do site Malfideleco decidiu compilar todos os dados de localização em um mapa.

Já que a imensa maioria dos usuários do Ashley Madison era de homens, o Malfideleco resolveu criar duas categorias de cidades para representar no seu mapa: as localidades em que o percentual de homens do total de usuários era superior a 85% foram marcadas em vermelho, e os lugares em que esse percentual era inferior a 85% ficaram em amarelo. Aparentemente, as mulheres eram minoria em todas as regiões registradas.

Acima, você confere uma prévia do mapa e pode acessar a versão interativa dele aqui. É curioso notar, entretanto, a quantidade de cidades brasileiras marcadas no mapa e também a quantidade de pontos vermelhos na Europa.

Cupons de desconto TecMundo: