Uma avançada plataforma de malware tem funcionado em diversos países e de forma indetectável por pelo menos cinco anos, segundo informaram nesta semana os cientistas da Symantec e da Kaspersky Lab. As informações são do Science Alert. De acordo com os pesquisadores, o “ProjectSauron” é tão bem desenvolvido que pode ter sido criado por um grupo de hackers – possivelmente patrocinado pelo setor de inteligência de uma organização governamental.

O vírus foi identificado em mais de 30 sites até o último dia 12. Foram afetados o sistema de um aeroporto da China, a embaixada da Bélgica e um órgão da Suécia. Redes complexas de informações da Rússia também foram alvo do “Remsec”, um codinome do “ProjectSauron”, que visa atacar “networks de alto escalão”.

As regiões atacadas foram identificadas apenas como "a ponta do iceberg".

Alvos e objetivos

Usuários de PCs comuns não devem ser afetados pela ameaça, uma vez que somente organizações governamentais e sistemas de TI, por exemplo, devem ser comprometidos pelo malware.

Achamos que uma operação com tamanha complexidade (...) só pode ter sido executada com o suporte de um grupo nacional-estatal

Os pesquisadores ressaltam, porém, que o Windows é capaz de executar o vírus – precauções, assim, ainda são bem-vindas. O objetivo do “ProjectSauron” é atuar como espião, roubando informações pessoais, tais como senhas e credenciais, a partir da gravação das teclas digitadas.

Origem

A referência ao personagem da saga “O Senhor dos Anéis” foi feita devido à identificação prévia de um vírus criado também por um grupo hacker – na ocasião, o título “Strider” foi usado para designar a organização criminosa.

Estamos cientes de que 30 organizações foram atacadas, mas esta é apenas a ponta do iceberg

Ainda como explicam os cientistas, o que dificultou a descoberta do vírus foi o fato de que um código único é usado por “Remsec” para cada alvo, o que impossibilita a detecção feita tradicionalmente por softwares antivírus.

Sistemas de inteligência dos governos são alvos do vírus "ProjectSauron".

“Remova os padrões [com os quais os pesquisadores estão acostumados a trabalhar] e então será mais difícil descobrir [a ameaça]”, dizem os pesquisadores do Kaspersky Lab. Portas USB, conforme esclarecem os experts da Symantec, podem também ser usadas para a transmissão do “ProjectSauron”.

Conspiração?

Para a Kaspersky Lab, um malware complexo assim só pode ser fruto do trabalho de uma organização do governo. “Achamos que uma operação com tamanha complexidade, que tem o objetivo de roubar informações confidenciais e secretas, só pode ter sido executada com o suporte de um grupo nacional-estatal”.

Até mesmo pendrives podem infectar sistemas de alta complexidade

Também segundo o laboratório de segurança online, a magnitude do vírus é ainda desconhecida. “O ProjectSauron pode ter requerido um time de especialistas e [foi criado] com um orçamento de provavelmente milhões de dólares... Estamos cientes de que 30 organizações foram atacadas, mas estamos certos de que esta é apenas a ponta do iceberg”.

Cupons de desconto TecMundo: