(Fonte da imagem: MacRumors)

A Apple acaba de apresentar na tarde desta segunda-feira (6) a nova versão do Mac OS X. O CEO da empresa, Steve Jobs, subiu ao palco do WWDC 2011 para falar sobre os números da empresa nos últimos meses e, também, revelar ao público as novas funcionalidades do Mac OS X Lion.

Segundo a Apple, o Mac OS X Lion estará disponível para os usuários já no mês de julho e terá distribuição exclusiva pela App Store. A atualização terá 4 GB e o preço de upgrade é de US$ 29,99. A licença é válida para mais de um Mac, ou seja, se você tem mais de um computador com sistema da Maçã em sua casa, pode comemorar.

Mac OS em alta

(Fonte da imagem: Apple)

O vice-presidente de produtos da companhia, Philip Schiller, foi incumbido da tarefa de falar sobre as novidades do sistema. Segundo ele, atualmente já são mais de 54 milhões de usuários de Mac no mundo, apresentando um crescimento de 28% em relação ao ano passado, enquanto o número de usuários de PC diminuiu em 1%.

Para esta nova versão do sistema serão nada menos do que 250 novos recursos, desde ferramentas mais simples e pouco perceptíveis até modificações mais drásticas. Segundo o executivo, a empresa aprendeu muito com o iOS e pretende ampliar sua experiência para outros produtos.

“Esta é a melhor versão do Mac Os X já lançada, pois além de inovar na utilização da interface multitouch, o sistema passa a suportar a utilização de aplicativos em tela cheia, e a ferramenta Mission Control possibilita acesso instantâneo a tudo que está rodando no Mac”, explica Schiller.

1) Multitouch Gestures

 

(Fonte da imagem: Apple)

A experiência de usuário obtida com o iOS deve ser ampliada no novo Mac Os X Lion. Assim, a aplicação de gestos multitouch, em funções como arrastar e encolher, foi aprimorada, permitindo que as barras de rolagem possam ser eliminadas de uma vez por todas do sistema.

2) Fullscreen

Para os usuários de notebooks, a novidade é um recurso que permite a visualização dos aplicativos em tela cheia e, com um simples gesto, será possível retornar à visualização padrão. Um terceiro recurso pretende unificar o Exposé e o Spaces, deixando a interface mais limpa e a experiência de usuários muito mais próxima à do iPad. Ao deslizar dois dedos sobre a tela, por exemplo, o usuário pode voltar à página anterior do navegador.

3) Photo Booth

(Fonte da imagem: Apple)

Podendo ser utilizado em tela cheia e com suporte para zoom dinâmico por gestos, o Photo Booth agora passa a contar com um sistema de reconhecimento facial e possibilita ajustes automáticos de imagem, como aumentar ou diminuir os olhos.

4) Mission Control

Graças a um sistema conhecido como Mission Control, ativado quando três dedos são deslizados para baixo, é possível controlar com muita facilidade diversas telas abertas simultaneamente no computador. Ao “apagar” um espaço que não está em uso, ele é, automaticamente, enviado para o Mission Control.

5) Mac App Store

Tendo se tornado a principal vendedora de programas para Mac, ultrapassando inclusive suas principais concorrentes de varejo, a Mac App Store ganha mais espaço na nova versão do sistema operacional e agora vem embutida no Lion.

O sucesso da integração foi tamanho que, em apenas 20 dias, os desenvolvedores do programa Pixelmator, por exemplo, conseguiram faturar 1 milhão de dólares. As notificações de Push, assim como as In-app purchases, serão liberadas também para computadores.

6) Launch Pad e Restore

(Fonte da imagem: Apple)

Outra novidade é uma espécie de central de lançamento para os apps, o que realmente aproxima o sistema operacional Lion do visual e do funcionamento do iOS. Com ícones e aplicativos dispostos na tela, podem ser montadas pastas para agrupá-los e, mesmo quando o sistema é reiniciado, os programas podem ser retomados do ponto em que forma parados.

Na prática, isso pode significar o fim da perda de trabalhos por conta de quedas de luz ou desligamentos inesperados. Basta um clique para reverter o documento. O salvamento é automático, de forma que as chances de perder alguma coisa se tornam remotas.

7) Auto Save

Todas as cópias são salvas em versões. Ao procurar a mais recente, o sistema automaticamente compara os dados e apresenta para o usuário a versão mais completa possível entre eles. O controle das versões é feito numa interface similar à da Time Machine, o que faz com que os documentos ocupem menos espaço no disco rígido.

8) Air Drop e Mail

(Fonte da imagem: Apple)

Por meio de conexões peer-2-peer, os usuários de Mac poderão trocar dados de um computador para outro, bastando para isso arrastar os arquivos até a janela do Air Drop. Tudo o que o destinatário precisa fazer é confirmar o recebimento.

Quem também ganhou novidades foi o cliente de emails da Apple. Com novo design e orientação em colunas, o sistema agora conta com barra de favoritos, separação de mensagens e busca por sugestões, uma espécie de autocompletar similar ao utilizado nos mecanismos de busca.

Mensagens trocadas também são separadas em visualização de conversas, e a busca leva em consideração não apenas títulos e usuários, mas também o conteúdo das mensagens. Na visualização de conversas, o conteúdo não necessário é cortado e pode ser aberto com apenas um clique.

E os desenvolvedores?

Segundo informações de Philip Schiller, para os desenvolvedores que migrarem do Windows para a plataforma da Apple atualmente já existem mais de 3 mil APIs. Alguns dos recursos demonstrados, inclusive, poderão ser adicionados no desenvolvimento de programas externos, o que amplia as possibilidades tanto para os usuários quanto para a empresa.

Cupons de desconto TecMundo: