O Pepper é um robô "emotivo" que foi desenvolvido pela Softbank e pela Aldebaran Robotics. Agora, a IBM entrou na jogada com o supercomputador Watson e pretende criar uma versão do robô, liberando um SDK para desenvolvedores trabalharem com algo chamado de "computação cognitiva".

Esse tipo de tecnologia, que vai ser cada vez mais usada em robôs e até em outros tipos de gadgets, processa e aprende informações de maneira mais próxima ao cérebro humano. Dessa maneira, ela vai ficando "mais inteligente" com o tempo, sem a necessidade de ser atualizada ou programada por humanos.

"Hoje, o poder da computação cognitiva pode ser levado para qualquer objeto. Nossa colaboração com a Softbank no Pepper vai permitir que uma audiência muito maior possa experimentar e interagir com o Watson", comentou Mike Rhodin, SVP da IBM. "Quando capacidades cognitivas são colocadas na robótica, começamos a ver as pessoas tirarem benefício dessa tecnologia e criarem coisas novas e incríveis", disse Rhodin.

Ainda não está claro qual é o impacto que o supercomputador vai ter sobre o Pepper, mas as companhias estão explorando vários usos para o robô — desde tornar o Pepper um assistente de professor até um auxiliar de enfermagem, segundo os envolvidos no projeto.

O que você acha de robôs que começam a "aprender" por conta própria? Comente no Fórum do TecMundo