Um cidadão turco batizado como Onur Kopçak foi condenado a um total de 334 anos de prisão, acusado de usar técnicas de cracking para fraudar um total de 54 cartões de crédito. O criminoso já cumpria uma pena de 199 anos desde 2013, quando foi preso junto com amigos por ter roubado 43 “kits” com dados de cartões, e agora essa pena foi aumentada em mais 135 anos por terem sido descobertos mais 11 kits roubados por Kopçak.

Para obter as informações, o meliante invadiu sites de instituições bancárias e usou a velha técnica de phishing para enganar as vítimas. Com apenas 26 anos, é bem provável que o turco entre para a história por ter recebido a maior pena por um crime virtual no mundo inteiro – para fins comparativos, o máximo que os Estados Unidos fizeram ao cracker Albert Gonzalez (que roubou mais de 90 milhões de dados de cartões de crédito em 2012) foi condená-lo a 20 anos de prisão.

Porém, como bem observado pelo site The Next Web, a punição imposta a Kopçak pode ser intencionalmente exagerada justamente para servir como exemplo aos cidadãos da Turquia – é provável que as autoridades estejam dispostas a desencorajar outros criminosos que planejam fazer o mesmo e causar mais danos aos cofres dos bancos nacionais.

Cracker é condenado a 334 anos de prisão; você acha que ele merece a pena? Comente no Fórum do TecMundo