Armadura e capa preta, cara de poucos amigos e um senso de justiça muito maior do que boa parte dos policiais de Gotham City. Poucos são os super-heróis com a mesma fama e carisma de Batman.

Não é para mesmo, já que o homem-morcego foi representado em diversas outras mídias além dos quadrinhos, como cinema, desenhos animados, seriados para TV e jogos de video game.

Além disso, outro fator que torna a figura do Cavaleiro das Trevas tão carismática é a proximidade com o real. Apesar de alguns elementos serem fantasiosos, as habilidades de Batman são as mais humanas se comparadas com a dos outros heróis.

Apesar de ser mestre em várias artes marciais, sua principal arma na luta contra o crime é a tecnologia. Como possui uma inteligência acima de média e alguns milhões de dólares sobrando, seu alter ego, Bruce Wayne, tem a seu dispor dezenas de acessórios que o ajudam nesta árdua tarefa. Quem nunca ouviu falar de seu “cinto de utilidades”?

Bruce Wayne, o Batman.

Warner/Divulgação

Porém, mesmo sendo tão realista, seria possível trazer para a realidade o que se vê nas páginas das histórias em quadrinhos? Para descobrir isso, o Portal Baixaki convida-o a entrar na bat-caverna para saber o que é (ou pode ser) verdade e o que é ficção no universo homem-morcego.

Santa variedade, Batman! 

Batman: O cavaleiro das trevasComo dito anteriormente, Batman já esteve presente em praticamente  todos os meios. O problema é que em cada uma dessas adaptações, o personagem recebeu algumas adaptações, assim como seus equipamentos.

Um exemplo disso é o seriado da década de 60, que trazia um homem-morcego gordinho e fanfarrão. Como possuía uma temática mais cômica, a série não se preocupava em criar situações verossímeis, tanto que o cinto de utilidades possuía pequenos bolsos capazes de armazenas praticamente tudo.

Por conta disso, as versões analisadas são aquelas vistas nas telas dos cinemas, além das próprias histórias em quadrinhos que imortalizaram o herói. Esse parâmetro é essencial para evitar que informações entrem em conflito devido à diversidade entre as adaptações.

Cinto de utilidades

Na ficção, o versátil cinto de utilidades que Batman utiliza é sua principal arma para combater os vilões de Gotham City. Nele é possível encontrar diversos tipos de aparatos tecnológicos e de combate, como bumerangues, bombas de gás e armas de pressão. Porém, entre eles, o mais famoso e útil é o gancho que o herói utiliza para escalar prédios.

É exatamente esse dispositivo que uma empresa americana transformou em realidade. Batizado de ATLAS Ascender, o equipamento é um pequeno aparelho feito para ser acoplado a cordas, permitindo que o usuário suba qualquer superfície vertical em questão de segundos.

Apesar de não ser possível arremessar cabos de aço para o alto de edifícios, como nas histórias em quadrinhos, o dispositivo é bastante útil, principalmente pelo fato de erguer corpos de até 115 Kg a uma velocidade de 3 metros por segundo. Além disso, passou a ser utilizado pelo exército americano e por bombeiros durante operações de resgate.

Capa

O que você faria se, na calada da noite, avistasse um assustador vulto sobre um prédio, com enormes asas tremulando com o vento? Pois é exatamente essa a sensação que Batman desperta nos criminosos de Gotham City com sua enorme capa.

Mas não se trata apenas de estilo. Em Batman Begins é mostrado que, além do efeito psicológico, a vestimenta também serve para que o herói possa planar entre os edifícios, deixando sua entrada em cena ainda mais dramática.

As asas do morcego

Warner/Divulgação

No filme é utilizado um tecido que realinha suas moléculas após receber impulsos elétricos, fazendo com que a transição entre a rigidez e a maleabilidade seja incrivelmente prática. Porém, na realidade, esse tipo de coisa ainda não existe.

Ao menos não ainda, já que um grupo de pesquisadores estuda o desenvolvimento de uma substância capaz de mudar sua estrutura ao ser exposta a um campo magnético.  Com isso, seria possível fazer com que a consistência do material seja facilmente alterada, tornando plausível a mudança na capa do homem-morcego.

Invocando morcegos

Ainda em Batman Begins, o Cruzado Encapuzado invoca nada menos do que um sem número de morcegos para ocultar sua fuga. Seria esse o superpoder do herói? Na verdade não se trata de magia, mas de tecnologia.

Você quer invocá-los?

Como você deve se lembrar das aulas de Ciências, morcegos são animais que se movimentam por meio do som. Assim como no filme, bastaria um acessório que emitisse ondas ultrassônicas para atraí-los (ou afastá-los).

Porém, esse tipo de coisa é algo bem restrito. Pesquisadores que estudam os hábitos desses bichos, por exemplo, utilizam equipamento semelhante do herói dos quadrinhos, apesar de não ter o mesmo resultado.

Batmóvel

Outra marca registrada do Cavaleiro das Trevas é seu veículo característico, que é uma verdadeira máquina de destruição. Apesar do visual único apresentado nos primeiros filmes, apenas em Batman Begins a elegância foi deixada de lado para transformar o carro em algo próximo de um tanque de alta tecnologia.

Dentro das devidas proporções, é possível dizer que o Tumbler utilizado nos últimos filmes é real. Com exceção dos elementos claramente fictícios, alguns recursos existentes no Batmóvel são verdadeiros, como o famoso sistema de propulsão. 

O Batmóvel

Warner/Divulgação

Quem não se lembra da gigantesca turbina que faz com que o carro do Batman atinja velocidades inalcançáveis para veículos tradicionais? Por mais surreal que isso pareça, existem automóveis especiais que utilizam um sistema semelhante, principalmente em competições.

Algumas disputas de arrancada utilizam esse esquema de propulsão para ganhar muita velocidade nos primeiros segundos da corrida. Além disso, um projeto da década de 60 tentou implementar essas turbinas (em menor escala, obviamente) em carros domésticos, mas a tentativa foi abandonada devido à dificuldade de controlar o veículo.

Stryker, o Batmóvel do exército.

Fonte: Exército dos Estados Unidos

Outra característica existente no Batmóvel e que pode ser encontrada fora das páginas das histórias em quadrinhos é a incrível tecnologia existente nele. Quando o personagem foi criado, a noção de um carro inteligente era algo muito improvável, mas hoje os computadores de bordo são facilmente vistos em diversos modelos, assim como sistema de posicionamento global (GPS) e comunicação.

Já sobre as características bélicas do veículo, o Tumbler é incrivelmente realista. O exército dos Estados Unidos desenvolveu o Stryker, um veículo que une mobilidade e potência, assim como na ficção.

Batpod

Um novo equipamento do homem-morcego foi-nos apresentado em Batman: O Cavaleiro das Trevas. Apesar de já ter sido adaptado no antigo seriado e até mesmo nos quadrinhos e desenhos animados, foi no último filme que o Batpod teve um visual de respeito.

Batpod não é o iPod do Batman

Warner/Divulgação

Com um visual semelhante a uma moto, o veículo é “um pedaço” do Batmóvel, que é destruído pelo Coringa. Para conseguir capturar o palhaço do crime, Batman ejeta uma pequena parte de seu antigo carro, transformando-o em uma motocicleta equipada com diversos tipos de armas.

Porém, apesar de ser uma ideia fantástica, unir todos esses elementos não é algo viável. Como um equipamento assim seria de uso exclusivo do Exército, o uso de um Batpod em zonas de conflito não seria interessante por deixar os soldados vulneráveis a ataques por trás. Além disso, o “coice” (a pancada que a arma dá após o tiro ser dado) dado por um lança-granadas seria o suficiente para desequilibrar o piloto.

Conceito do carro com rodas-motoresPor outro lado, um recurso tecnológico presente na moto do Cruzado Encapuzado já é real: as rodas-motores. O Batpod possui dois motores dentro de cada uma das rodas.

Mas isso não é exclusividade da batcaverna, já que o designer de veículos Franco Sbarro já projetou um carro a partir desse princípio, e levar a ideia para as motos não seria nada complicado. Além das rodas-motores, o conceito do City Car elaborado por Sbarro traz uma série de outras inovações aos automóveis dignas de histórias em quadrinhos, como um painel LCD no lugar dos para-brisas.

A vida imita a arte

Apesar de muita coisa do universo de Batman realmente existir ou ser tecnologicamente plausível, ainda é clara a distinção entre o real e a ficção. Por outro lado, muito daquilo que vemos nas páginas das histórias em quadrinhos é utilizado como inspiração na hora de criar novos equipamentos.

Os acessórios que o homem-morcego utiliza foram considerados futuristas e de uma tecnologia quase impossível de ser imaginada no início da década de 40, quando o personagem foi criado. Hoje, porém, vemos boa parte delas sendo aplicadas em nosso dia a dia ou em um futuro próximo. Então não se assuste se encontrar, daqui a alguns anos, um batmóvel estacionado em frente à sua casa ou bombeiros com um versátil cinto de utilidades.

Agora é sua vez de fazer o batsinal! Que outras tecnologias do homem-morcego podem ser transformadas em realidade? E qual outro herói merece ter seu universo analisado pelo Portal Baixaki? Conte nos comentários!