Imagem de Final Fantasy IV Complete Collection
Imagem de Final Fantasy IV Complete Collection

Final Fantasy IV Complete Collection

Nota do Voxel
72

Um ótimo jogo em um momento errado

Embora muita gente critique a longevidade da série, é inegável o fato de que Final Fantasy é uma das franquias mais significativas do mundo dos games. Ao longo de seus 13 episódios e inúmeros spin-offs, a Square Enix criou diferentes histórias e abordou vários temas, criando, assim, aventuras memoráveis.

Algumas delas, porém, se destacam mais do que as outras a ponto de se tornarem atemporais, como é o caso de FF IV. O título foi considerado um divisor de águas quando lançado para SNES, em 1991, por conta de seu enredo complexo e repleto de reviravoltas – algo até então inédito nas narrativas orientais. Ainda que Cecil não tenha a mesma legião de fãs que Cloud Strife, foi a partir de sua trama que a fantasia final se tornou um dos principais nomes no mundo dos RPGs.

Eis que, duas décadas depois, a desenvolvedora decide novamente apostar no clássico. Mesmo com o recente relançamento para Game Boy Advance e o remake para Nintendo DS, a Square fez de Final Fantasy IV: The Complete Collection a edição definitiva do título.

Trate-se de algo maior do que uma compilação remasterizada do game. Em vez de simplesmente trazer uma versão melhorada do original no portátil da Sony, o estúdio adicionou conteúdos extras para agradar os fãs que durante 20 anos aguardaram para conhecer o verdadeiro desfecho do enredo.

O grande destaque está exatamente nas continuações à trama tradicional. O jogo para PSP reconta a mesma história e traz duas sequências: a inédita Interlude e The After Years, lançado exclusivamente para celulares japoneses e que depois chegou à WiiWare.

Final Fantasy IV ainda é um dos grandes clássicos dos RPGs. No entanto, isso não quer dizer que a Square Enix deva relançar novas versões com tanta frequência. Por mais que The Complete Collection reúna outros jogos relacionados ao enredo – incluindo um inédito –, quem jogou as edições anteriores dificilmente irá se empolgar em comprar o mesmo game uma segunda (ou terceira) vez.

Img_normal
No fim das contas, a impressão que temos é que falta alguma orientação de marketing para a Square Enix. Este game poderia ser uma ótima aposta para atrair fãs saudosistas, mas o mercado foi saturado de Cecil nos últimos anos e fez com que a coleção completa perca o brilho merecido. Se tivesse sido lançado antes ou até mesmo depois, certamente seria um título imperdível para qualquer apaixonado por RPGs.

O resultado final dessa superexposição ao herói é nítido: quem jogou as demais versões certamente vai achar a aventura repetitiva e vai se cansar em pouco tempo, já que há poucas inovações ou algo que realmente justifiquem um retorno àquele mundo. Se for para insistir em remakes, que o estúdio ouça o apelo do público e aposte em Final Fantasy VII de uma vez.