Diablo Immortal aposta no PvP para ter um endgame viciante

3 min de leitura
Imagem de: Diablo Immortal aposta no PvP para ter um endgame viciante
Imagem: Blizzard

Diablo Immortal chegará aos nossos smartphones ainda em 2021, e a Blizzard está revelando cada vez mais sistemas e novidades para ele, desde o retorno da classe Cruzado até a apresentação do Infernicário. Desta vez, tivemos a oportunidade de conhecer mais sobre a estrutura de seu multiplayer PvP!

A convite da produtora, participamos de uma conversa exclusiva com Scott Schicoff, o Principal Game Designer de Diablo Immortal, e Kris Ziergut, o seu Designer sênior de sistemas, que nos apresentaram aos novos sistemas desse ambicioso projeto. Confira a seguir!

Facções em guerra

Para quem se perguntava como será o conteúdo de Diablo Immortal no seu endgame, o time de desenvolvimento parece bastante dedicado a garantir que não faltarão atrativos aos fãs. O maior destaque aqui é o Cycle of Strife (ou Ciclo das Contendas), um sistema que valerá para todos os servidores e todos podem participar.

Trata-se de uma luta sem fim entre os heróis mais fortes do Santuário pela dominância, dividindo os jogadores entre Shadows (sombras) ou Immortals (imortais) através de diversas atividades PvP e PvE. "Todos os jogadores começam como aventureiros", explicou Scott Schicoff, "mas só a elite da elite conseguirá chegar ao disputado posto de Imortal."

Essa classe representa a nata dos defensores do Burning Hells, e eles precisam ficar espertos para mantar o seu poder, que será sempre contestado pelos Shadows. A cada Ciclo teremos um grupo de Immortals, sendo que um jogador de lá ainda pode se tornar o líder do grupo e vestir a Eternal Crown (coroa eterna).

"Ainda não temos um número exato de quantos Immortals serão eleitos por grupo, ainda estamos fazendo alguns ajustes nisso, mas o fato é que quem conseguir chegar a esse nível será eternizado na Wall of Honor (Muro da Honra), que registra todos os líderes, tenentes, banner e marcas de conquistas", esclareceu Kris Ziergut.

A ideia é que cada líder Immortal possa eleger até quatro tenentes para ajudá-lo, e então todos eles vestirão coroas próprias que garantes ainda mais buffs para eles e seus aliados durante as eletrizantes batalhas PvP.

Sombras em ação

As Shadows, como mencionamos, representam um vasto número de jogadores cuja razão para existir é garantir que os Immortals cumpram adequadamente as suas funções de defesa do Santuário. Caso eles se mostrem incapazes, as Shadows podem usurpar o seu lugar como Immortals, sendo que não há limite para quantos jogadores podem ser Shadows durante um Ciclo.

"As Shadows podem até encarar desafios próprios contra grupos de demônios e monstros no Path of Blood (Caminho de Sangue)", disse Kris Ziergut. "Essa é uma boa forma de testar a sua determinação e ver se elas são mesmo boas o bastante para destronar os Immortals e escalar no ranking da Dark House (casa sombria) que elas representam."

Ou seja, se você quiser parar de ser um Adventurer e virar uma Shadow, poderá curtir missões próprias ou abraçar contratos únicos para elevar a sua reputação. Uma das atividades mais legais serão as Raids para invadir um Vault (cofre) dos Immortals. Um grupo de até quatro Shadows poderá se unir para tentar roubar e fugir com todo o loot encontrado no lugar.

Quanto mais tempo elas ficam por lá, mais arriscada a missão se torna, já que os guardiões irão alertar os jogadores Immortals. Eles poderão então se teleportar e lutar diretamente em PvP para proteger os seus tesouros, e se os Immortals conseguirem derrotar as Shadows, elas perdem todo o loot que estavam tentando roubar.

Um embate climático

Se você leu até aqui, deve estar se perguntando onde exatamente o tal Ciclo das Contendas começa e termina, certo? "O Rite of Exile (Rito do Exílio) foi pensado como esse embate épico, climático e gigantesco entre os Immortals e as mais fortes das Dark Houses", disse Kris Ziergut. "Serão batalhas simultâneas de 8 contra 8 jogadores, onde as Shadows precisarão escolher Zealous Idols e derrotar os Guardiões, enquanto os Immortals ficam na defensiva".

Como cada batalha será julgada de forma independente, basta que as Shadows vençam ao menos metade delas para que o atual reinado dos Immortals chegue ao fim e um novo Ciclo tenha início. Mas se o resultado for uma vitória dos defensores, o mesmo Ciclo continuam e eles se mantêm no poder.

"Esperamos que todos os jogadores ao menos experimentem os nossos desafios PvP", incentivou Scott Schicoff. "Apesar de tudo isso ser facultativo e você poder terminar a campanha inteira sozinho ou com amigos se preferir, nos dedicamos bastante a tornar o modo competitivo divertido e recompensador para os jogadores".

Com previsão de lançamento ainda para 2021, Diablo Immortal será free to play nos dispositivos Android e iOS. Como estão as suas expectativas para esse game? Conte para a gente nos comentários a seguir!

Diablo Immortal aposta no PvP para ter um endgame viciante