Quebramos o primeiro ciclo de Deathloop em hands-off do jogo

6 min de leitura
Imagem de: Quebramos o primeiro ciclo de Deathloop em hands-off do jogo
Avatar do autor

Revelado durante a E3 de 2019, Deathloop sempre foi um jogo que chamou a atenção daqueles que gostam de títulos com ciclos temporais ou de games roguelike, mas não dá para dizer que esse game se encaixa exatamente nos moldes desses gêneros. Isso se tornou mais evidente no evento digital da Arkane Studios que participamos recentemente, e onde tivemos a chance de conferir um hands-off exclusivo.

Além disso, o diretor do jogo Dinga Bakaba e o diretor de arte Sébastien Mitton também falaram mais sobre a trama, as mecânicas e outros detalhes do título, além de responder algumas das perguntas da imprensa que estava presente. Se quiser saber mais, é só conferir as nossas primeiras impressões abaixo!

Quebrando o ciclo

Na apresentação sobre o jogo, o diretor Dinga Bakaba já começou falando sobre a trama básica de Deathloop: num belo dia, o personagem Colt acorda com amnésia na praia de Blackreef e se depara com o fato de que todos os habitantes da ilha querem matá-lo a qualquer custo. Cada vez que ele morre, o ciclo se repete e ele volta a acordar na praia, mas sempre com as informações que aprendeu durante o último ciclo.

Logo descobrimos que para quebrar esse ciclo temporal é necessário matar oito personagens específicos, que são conhecidos como "Visionários" na ilha. Uma dessas Visionárias é Julianna Blake, a pessoa que mais deseja a morte de Colt e que pode ser uma grande chave para o mistério que é o motivo de quererem tanto acabar com o nosso protagonista.

É claro que ir atrás dos oito Visionários em um único dia pode ser muito difícil, ainda mais porque o game conta com um sistema interessante em que cada um deles tem sua rotina e estão em lugares diferentes dependendo do horário. Isso traz ainda mais camadas para a nossa resolução deste enigma, o que claramente só torna o jogo mais divertido e nos faz pensar de forma mais estratégica.

Vivendo na rotina

Você terá que coletar informações e saber onde deve estar no horário certoVocê terá que coletar informações e saber onde deve estar no horário certoFonte:  Deathloop/Divulgação 

Conforme mencionamos acima, os Visionários só são encontrados em períodos exatos do dia, mas não é só isso que você precisa levar em consideração. No total, você conta com quatro horários do dia e quatro distritos que pode visitar em cada um desses períodos, então temos nada menos do que 16 cenários diferentes a serem explorados.

Os distritos são conhecidos como The Complex, Updaam, Fristad Rock e Karl’s Bay, enquanto os períodos são divididos em manhã, meio-dia, tarde e noite. O interessante é que assim como qualquer cidade, Blackreef pode mudar bastante seu movimento e atividades em cada horário, sendo que há áreas que só são acessíveis em períodos específicos.

Dependendo do horário, haverá áreas novas e mais inimigosDependendo do horário, haverá áreas novas e mais inimigosFonte:  Deathloop/Divulgação 

Vale mencionar que embora Colt vá ter alguns poderes mais para frente, não há nada que o faça voltar para um horário anterior do dia, mas você pode ficar no período que quiser pelo tempo que preferir. Desta forma, você tem mais controle, mas também precisa pensar muito bem se realmente não há mais nada que possa fazer em um período antes de seguir em frente.

Tantos alvos, tão pouco tempo

No meio dessa loucura de estar em uma ilha onde todos querem te matar, é claro que Colt precisaria de um jeito bom de se defender, então ficamos felizes em informar que armas e poderes são o que não faltam para nosso protagonista! Começando pelas armas, dá para citar pelo menos algumas classes diferentes que vimos durante a apresentação:

  • Machete: para quem gosta de encontros a curta distância.
  • Arma de fogo curta: dá para ter uma em cada mão.
  • Submetralhadoras: também pode ser empunhada duplamente.
  • Metralhadoras: para quem quer ter um dia com mais ação.
  • Rifles: um clássico dos jogos de tiro.
  • Espingardas: caso encontre muitos inimigos próximos.
  • Arma de pregos silenciosa: outra maravilha que você pode levar nas duas mãos.
  • Sapper Charge: uma granada com sensor de proximidade e modo mina.
  • Torreta Automática: para não ter que fazer tudo sozinho.
  • Hackamajig: essa ferramenta pode acessar portas trancadas, hackear torretas e criar distrações.

Como falamos antes, nós também teremos acesso a diversos poderes interessantes e que podem tornar nossas aventuras violentas por Blackreef mais divertidas e bem longe de serem repetitivas. Isso ocorre por meio de Slabs, que são artefatos raros que podemos encontrar na ilha para liberar essas habilidades especiais. Os exemplos que tivemos a chance de ver foram:

  • Reprise: permite que Colt volte no tempo duas vezes quando morre. Na terceira vez, o loop se reinicia.
  • Shift: deixa que você se teleporte pelo ambiente.
  • Aether: torna Colt invisível para alguns inimigos, lasers e até para os Visionários.
  • Havoc: o dano que Colt recebe é absorvido e pode ser descarregado em uma explosão poderosa.
  • Karnesis: te permite arremessar inimigos de forma bem divertida.
  • Nexus: cria um tipo de ligação entre os inimigos para que eles sofram o mesmo destino, seja dano, arremesso ou morte direta.

Fora isso, Colt ainda contará com os Trinkets, que nada mais são do que itens para aprimorar suas armas, seus poderes ou suas próprias habilidades naturais.

A variedade de armas e poderes nos possibilita matar os inimigos de forma bem criativaA variedade de armas e poderes nos possibilita matar os inimigos de forma bem criativaFonte:  Deathloop/Divulgação 

Alguns dos principais Trinkets que pudemos conferir no Hands-Off de Deathloop foram os seguintes:

  • Crack Shot: você leva menos tempo para mirar.
  • Shock Absorber: há uma redução do recuo da arma.
  • Hipster: você tem mais precisão ao atirar do quadril.
  • Lightning Strike: há um aumento na distância necessária para dar o dano máximo com sua arma.
  • Mind Leech: os inimigos sofrem dano e perdem poder quando são atingidos.
  • Big Box: você carrega mais munição no pente das armas.
  • Perforator: as balas atravessam os inimigos.
  • Silence Death: basicamente um silenciador.
  • Pulo Duplo: bem autoexplicativo.
  • Cat Fall: há uma redução no dano causado por quedas.
  • Creeping Death: você fará menos barulho ao se mover.
  • Juiced Up: a capacidade máxima de mana é aumentada.

Deu para perceber que não faltarão maneiras de acabar com seus inimigos em Deathloop, não é?! Pelo gameplay, a ação é até que bem semelhante às franquias Dishonored e Prey, outros títulos populares desenvolvidos pela Arkane Studios, então os fãs se sentirão em casa com esse novo jogo.

Um dia normal em Blackreef

A boa notícia é que repetir os ciclos de Deathloop não é nada repetitivoA boa notícia é que repetir os ciclos de Deathloop não é nada repetitivoFonte:  Deathloop/Divulgação 

Durante o Hands-Off de Deathloop, pudemos conferir um pouco do que seria um dia normal para Colt em Blackreef, o que conta bastante com tudo o que citamos nos tópicos anteriores. Só que o mais importante foram as pequenas interações e detalhes que realmente fazem a diferença e nos dão vantagens para os próximos ciclos.

Foi bem demonstrado que apenas de ouvir uma conversa ou observar uma cena específica, podemos conseguir uma informação extremamente importante sobre onde e em que horário podemos encontrar os Visionários. Isso é algo vital, já que por ter amnésia, Colt não faz ideia de qual a aparência desses personagens que estamos caçando.

Não sabemos o que Colt fez para Julianna, mas ela é a Visionária com mais sede de sangueNão sabemos o que Colt fez para Julianna, mas ela é a Visionária com mais sede de sangueFonte:  Deathloop/Divulgação 

É claro que nesse cenário, a pressa é nossa grande inimiga, então o objetivo não é simplesmente tentar sair por aí matando todo mundo sem propósito até chegar nos Visionários. A grande sacada é realmente usar os ciclos a seu favor, seja para adquirir armas, poderes, Trinkets ou informações novas, o que será mantido em cada ciclo com a ajuda de um recurso misterioso chamado Residuum. Tudo isso para saber onde encontrar os Visionários em ordem perfeita e, assim, fazer o ciclo perfeito para quebrá-lo de vez.

Ao que tudo indica, com essa repetição de ciclos e uma trama que conta com um humor bem irreverente, Deathloop tem tudo para nos trazer uma aventura cheia de ação e, mesmo assim, bem longe de ser repetitiva. É claro que só saberemos se esse conceito cumprirá tantas expectativas boas quando o game chegar exclusivamente no PS5 (de forma temporária) e no PC no dia 14 de setembro.