A cada tipo de televisão ou simplesmente tela nova que é lançada, inovações absurdas na experiência que temos com a televisão aparecem. Algumas televisões prometem resoluções cada vez maiores, que vão muito além da Full HD (1920x1080 pixels), enquanto outras diminuem a espessura (é o caso das OLED) da máquina.

E agora mais uma tecnologia aparece, além de tantas várias que surgem e são estudadas a cada dia. São as telas AMOLED — que, apesar de não parecerem uma grande inovação, prometem mudar vários fatores em relação à nossa experiência ao assistir televisão.

A tecnologia promete imagens mais nítidas e brilhantes, alta distinção de movimentos, cores reais e muito mais variadas do que o normal, menor espessura e maior flexibilidade. Se tudo isso ainda não o convenceu de quantas novidades a tecnologia traz, talvez você as perceba até o final desse artigo.

 

Como funcionam as telas AMOLED

O nome AMOLED significa Active-Matrix Organic Light-Emitting Diode — ou, traduzindo para o português, Matriz-Ativa de Emissão de Luz Orgânica por Diodos. É uma tecnologia baseada na OLED.

Os pixels OLED são ligados a um Transistor de Película Fina (chamado TFT, ou Thin-Film Transistor). O TFT é capaz de depositar pequenas películas de uma camada que está ativa e conta com vários semicondutores, isoladores e contatos metálicos. Tudo isso fica sobre um suporte: o vidro.

O TFT se organiza e forma uma matriz com vários pixels, que iluminam ou não através de uma ativação elétrica. Isso envolve uma série de funções que ordenam os pixels ao dizer como cada um deve brilhar e funcionar.

Estrutura da AMOLED

Essas funções são controladas por dois TFTs: um para controlar o processo (de início e término de carregamento) e outro para controlar a tensão de cada pixel. As telas AMOLED contam com quatro camadas: uma de ânodo, uma orgânica, uma de cátodo e outra com os circuitos.

As telas AMOLED são capazes de ligar e desligar seus pixels três vezes mais rápido do que outras comuns, o que permite a exibição mais fluída de filmes com bastante movimentação de câmera, por exemplo.

Características superiores

O AMOLED traz diversas características que conseguem se mostrar superiores às das melhores telas existentes hoje. A iluminação, por exemplo, chega a ser pelo menos 150% melhor do que em LCDs comuns (vide imagem abaixo).

Imagens mais bonitas.

O tempo de resposta foi melhorado, com imagens em movimento muito mais nítidas — isso quer dizer que você conseguirá ver menos "borrões" passando. O nível de contraste também permite que tudo fique mais claro — o que dá mais "realidade" para o que passa na tela.

Imagens menos

Outra melhoria das telas AMOLED é a visibilidade muito melhor, não importa o ângulo em que você está. Ou seja, por mais que você veja a TV lateralmente, ela não "escurecerá", como ocorre normalmente. O ângulo não influencia mais nesse caso.

Assim como o ângulo de visão não influencia na qualidade da imagem, as cores também foram melhoradas. Das cores mais claras às mais escuras, as telas AMOLED compreendem um conjunto de cores muito maior do que as convencionais, com taxas maiores de variação. E, é claro, o que já era característica das telas OLED se faz presente também nessa: a minúscula espessura.

Telas semitransparentes e flexíveis

No evento internacional de 2009 da CES, Consumer Electronics Show (um evento promovido pela Associação de Consumidores de Eletrônicos), a Samsung apresentou uma série de televisores inovadores, incluindo algumas telas AMOLED.

O que realmente chamou a atenção do público é o fato de as telas AMOLED serem flexíveis: você pode dobrá-las e enrolá-las sem problemas, como uma folha de papel. Outra novidade mostrada pela Samsung e que realmente surpreendeu a todos foram as telas AMOLED semitransparentes.

Quando as telas semitransparentes estão desligadas, parecem ser puro vidro; mas, assim que ligadas, passam a exibir imagens semitransparentes. Veja a novidade com os próprios olhos no vídeo logo abaixo.