Idealizado por Elon Musk em meados de 2013 e reafirmando a alcunha de “Tony Stark da vida real” para o empreendedor sul-africano, o Hyperloop é um meio de transporte que parece ter saído de filmes sci-fi. Essa aura de projeto experimental, e não de algo real, no entanto, se reforçou com o fato de a cápsula despressurizada de alta velocidade só ter aparecido em artes conceituais e em testes realizados nos EUA. Os Emirados Árabes, porém, podem mudar essa história fazendo o que mais sabem: injetando dinheiro na iniciativa até tirá-la do papel.

Em um evento realizado no badalado Burj Khalifa, em Dubai, a empresa por trás do transporte via tubos, a Hyperloop One, anunciou que a capital comercial do Oriente Médio pode ser o primeiro lugar a receber a empreitada. A ideia é que, com a colaboração das autoridades de transporte locais, a empresa de Musk possa ter sua primeira grande oportunidade de colocar em prática um sistema capaz de levar passageiros e cargas a longas distâncias em um período extremamente curto de tempo.

Disputar corrida com avião? Bora lá!

Como é possível conferir no vídeo abaixo, criado exatamente para celebrar e exemplificar os possíveis resultados da parceria, a ideia é que ir de um centro para o outro da região se torne algo trivial, desburocratizado e consideravelmente mais rápido que as soluções sobre rodas – como se você estivesse se deslocando de avião, mas sem sair do chão. Segundo o clipe, a viagem entre Dubai e Abu Dhabi deve ser feita em apenas 12 minutos, enquanto Doha (Catar) pode ser alcançada em 23 minutos e Riade (Arábia Saudita) em cerca de 48 minutos.

O sistema de produção do projeto permite que o veículo alcance velocidades próximas a 800 km/h

Esse cronograma enxuto no qual o “trem” percorre milhares de quilômetros em menos de uma hora só é possível graças ao fato de o sistema de produção do projeto permitir que o veículo alcance velocidades próximas a 800 km/h. De acordo com a simulação do transporte, os pods de viagem – uma espécie de vagão para os passageiros – parecem poder resolver os desafios de milha final ao se desvencilharem dos tubos e poderem circular livremente pelo trânsito local, levando o usuário da estação para o seu destino.

Sem prazo, mas bastante possível

Por enquanto, a iniciativa ainda está na fase de “namoro” entre as duas partes, já que o Hyperloop ainda precisa ter sua tecnologia lapidada e adaptada para situações e cenários reais. É de se imaginar, no entanto, que se a empresa conseguir entregar o que promete, há poucos empecilhos para que o negócio não seja devidamente financiado na terra dos sheiks. Quanto tempo será que vamos ter que esperar para dar uma volta nesse brinquedinho, hein?