A polêmica em torno do Uber ainda está longe de acabar, mas nem por isso a popularidade do serviço caiu. Todo dia, de 20 a 100 pessoas comparecem ao escritório do serviço de transporte particular na região da Avenida Paulista, em São Paulo, para realizar o processo de seleção para pilotar um dos perseguidos e odiados carros de transporte parelelo.

Os principais motivos [para a busca do emprego] foram os rendimentos altos e a maleabilidade do horário.

Mesmo com a rivalidade com taxistas ter chegado ao ponto da violência física, a maioria dos candidatos parece não ligar muito para os perigos que podem correr, ainda mais depois dos tantos relatos de agressão de motoristas do serviço por taxistas raivosos que entendem a concorrência do Uber como desleal e ilegal. 

Vantagens que compensam

As pessoas que buscaram o serviço para trabalhar afirmam que os principais motivos para isso foram os rendimentos altos e a maleabilidade do horário de trabalho que o Uber fornece. A facilidade em passar no recrutamento também colabora, visto que o Uber exige do candidato apenas carteira de motorista, ter mais do que 21 anos, possuir um veículo de médio ou grande porte com quatro portas, seguro do veículo e dos passageiros e passar em dois testes – um questionário sobre boas práticas no transito e uma avaliação psicológica.

Apesar da situação delicada em que o serviço se encontra, Fabio Sabba, porta-voz do Uber, afirmou que a plataforma pretende disponibilizar cerca de 30 mil motoristas no Brasil inteiro. No momento, são apenas 5 mil carros em atividade.

Tudo depende agora do desfecho dado pelo prefeito Fernando Haddad. Tudo indica que ele deve sancionar a lei já aprovada pela câmara dos vereadores de São Paulo que proíbe o funcionamento do Uber na cidade. Porém, existem brechas que podem permitir a regulamentação da plataforma no futuro.

Quem você acha que está certo, o Uber ou os taxistas? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: