Os serviços de live streaming vêm se tornando progressivamente mais populares junto à comunidade gamer. Afinal, a prática permite tanto que os streamers se aproximem do seu público quanto que seus espectadores possam conhecer mais sobre eles e os jogos sendo apresentados. Embora a brincadeira costume bem divertida e descontraída, uma sessão de jogatina promovida por Brian “Poshybrid” Vigneault no último final de semana teve um final trágico: o rapaz morreu depois de jogar World of Tanks por mais de 22 horas.

Para os seguidores de Poshybrid – como era conhecido na internet –, toda a história é ainda mais trágica. Isso porque o streamer estava fazendo uma jogatina de 24 horas do game multiplayer para levantar doações para a Make-A-Wish Foundation, uma organização que realiza o último desejo de crianças doentes e em estado terminal. De acordo com os fãs do jogador, ele fez uma pausa para fumar quando estava a apenas duas horas de terminar sua transmissão do dia, mas acabou não voltando para a frente do PC.

Brian “Poshybrid” Vigneault faleceu aos 35 anos

Inicialmente, grande parte do público achava que ele tinha caído no sono por conta do cansaço de jogar por quase um dia inteiro e interagir com os visitantes em seu canal na Twitch. Na manhã seguinte, porém, quando um dos amigos de Vigneault mandou uma mensagem privada, a resposta não veio do rapaz, mas sim de um detetive do departamento de polícia de Virginia Beach, que explicou que eles estavam investigando a morte do streamer. A notícia, como não poderia deixar de ser, se espalhou rapidamente.

O chat do canal de Poshybrid se tornou uma espécie de memorial para seus fãs

Depois disso, o chat do canal de Poshybrid se tornou uma espécie de memorial para seus fãs, contabilizando inúmeras mensagens de apoio e condolências, e seu clã de jogos, o FAME, fez uma postagem no Facebook lamentando todo o ocorrido e homenageando o colega falecido. “Não conseguimos encontrar palavras para descrever o quão triste é este momento para todos nós [...]. Esperamos que ele esteja em um lugar melhor e que a sua alma descanse em paz”, escreveram seus colegas na rede social.

World of Tanks, o principal game jogado por Vigneault

Assunto delicado

Poderíamos ser polêmicos aqui e dizer que foi o tempo de jogo ou o título escolhido – ou ainda uma combinação de ambos – que fez com que o gamer de 35 anos e pai de três crianças viesse a falecer no domingo passado (19). Porém, a verdade é que a polícia está investigando o episódio e ainda não tem uma provável causa para a morte do norte-americano. Tudo isso, claro, não exclui a possibilidade de a maratona ter afetado ou agravado algum tipo de condição da vítima.

Na busca pela fama, não é raro ver streamers iniciantes encabeçando maratonas de 72 horas

Conforme foi levantado pelo Kotaku e pode ser confirmado em visitas rotineiras aos principais sites de transmissão ao vivo de jogos, o problema da categoria parece ser intensidade, já que há uma espécie de pressão para que os streamers façam maratonas cada vez mais longas e frequentes para se manterem “competitivos” no meio. Na busca pela fama, não é raro ver streamers iniciantes encabeçando maratonas de 72 horas e veteranos criando verdadeiras semanadas de jogatina para continuar em destaque diante dos concorrentes.

Com milhares de streams rolando simultaneamente, a concorrência é cada vez mais acirrada

Embora realizar uma jogatina de 24 horas uma vez ao ano possa ser cansativo, é bem difícil que isso leve alguém à morte. Porém, quando você acumula uma infinidade de sessões de dezenas de horas de streaming em um período muito curto de tempo, é claro que o corpo começa a ser debilitado de algum modo. A dúvida é se o acréscimo de seguidores, o aumento de visualizações e o destaque na comunidade compensam o peso que esse tipo de atividade tem na sua saúde. Essa pode ser uma discussão inevitável para garantir o futuro do segmento.

Cupons de desconto TecMundo: