(Fonte da imagem: Reprodução/Reuters)

Ditar mensagens ao seu celular transmite uma sensação de segurança? Afinal, diferentemente do que ocorre ao utilizar o teclado, o seu foco não é tão comprometido. Bem, só que, de acordo com um estudo conduzido pelo Texas Transportation Institute, da A&M University, essa impressão não poderia ser mais falsa.

“Em ambos os casos, os motoristas levam aproximadamente o dobro do tempo para reagir”, disse a responsável pelo projeto, Christine Yager, em entrevista à agência Reuters. “O foco dos olhos na estrada também diminui, independente de qual método seja utilizado para enviar mensagens.”

Distrações fazem aumentar o tempo de resposta

O estudo envolveu 43 participantes. Inicialmente, todos foram convidados a conduzir por uma pista de testes sem qualquer aparato tecnológico de mensagens à mão. Posteriormente, o percurso foi repetido com os motoristas enviando mensagens digitadas e ditadas. De acordo com Yager, ditar mensagens ainda traz a desvantagem da demora, já que é preciso retornar frequentemente para corrigir erros de interpretação do programa.

(Fonte da imagem: Reprodução/WikimediaCommons)

“Você ainda utilizará a sua mente para tentar pensar no que vai dizer, o que causa prejuízos à condução e aumenta o seu tempo de resposta”, ela acrescenta. De fato, o estudo revelou que parte do perigo está justamente na falsa ilusão de segurança que um motorista pode sentir ao ditar suas mensagens ao celular — relativamente à utilização de teclas.

Consciência ao lidar com novas tecnologias

De acordo com a Telecommunications Industry Association, 6,1 bilhões de mensagens são enviadas por dia nos EUA. Ademais, 35% dos motoristas admitem que leem mensagens ao volante e 26% afirmam que também digitam/ditam, de acordo com dados da AAA, uma organização nacional de motoristas.

“Diariamente novas tecnologias são lançadas, e é importante alertar o público de que mesmo a menor distração ainda é uma distração, e que essa percepção deixará as pessoas mais seguras quando estiverem no trânsito”, conclui Yager.