(Fonte da imagem: Thinkstock)

Depois de algumas pesquisas afirmarem que o Ponto G não existe, um novo estudo pode reascender a esperança feminina. O periódico The Journal of Sexual Medicine publicou na quarta-feira (25) evidências da existência dessa área no corpo das mulheres. A descoberta é do diretor do Instituto de Ginecologia de São Petersburgo (Estados Unidos), Adam Ostrenski.

Segundo informações do Huffington Post, o pesquisador teria achado o Ponto G após dissecar a parede vaginal do cadáver de uma mulher de 83 anos de idade. Ostrenski garante ter encontrado a estrutura e dá detalhes sobre ela: o ponto teria 8,1 milímetros de comprimento, de 1,5 a 3,6 milímetros de largura, e estaria localizado a 16 milímetros de distância da entrada do canal vaginal, entre a vagina e a uretra.

A promessa de um ponto que, ao ser estimulado, provocaria uma intensa sensação de prazer no corpo feminino já estava descartada, mas o pesquisador explica que ele só não havia sido encontrado ainda por sua profundidade no tecido vaginal.

O assunto ganhou status de polêmica, justamente por descobertas anteriores. Uma pesquisa publicada no mesmo periódico em 2010, conforme citou o Huffington Post, analisou uma amostra de mais de 1.800 mulheres e chegou à conclusão de que o Ponto G seria apenas fruto da imaginação feminina encorajado pelo senso comum.

Enquanto mais pesquisas não surgem para esclarecer a dúvida da existência desse ponto, resta apostar em outras formas de alcançar o prazer. E você, acredita que o Ponto G exista?

Via TodaEla

Cupons de desconto TecMundo: