Apple é a nova Microsoft? Nem de longe, segundo Tim Cook

2 min de leitura
Imagem de: Apple é a nova Microsoft? Nem de longe, segundo Tim Cook
Imagem: Fast Company
Avatar do autor

Apesar de lançar novos aparelhos com frequência, não são poucos aqueles a pensarem que a Apple tem jogado seguro demais, sem apresentar grandes inovações em software ou hardware. Muitos, de fato, chegam a compará-la à Microsoft, que, apesar de trazer diversas novidades para o mercado, se arrisca muito pouco com propostas completamente diferentes do que ela está acostumada.

O CEO da Apple, no entanto, não pensa assim. De fato, quando questionado sobre isso, Tim Cook deixou bem claro, em uma entrevista recente com a Fast Company, que a Apple está a correr riscos; enquanto a Microsoft, por sua vez, era incapaz de se afastar de seu legado.

“A Apple sempre teve a disciplina de tomar a decisão corajosa de se afastar. Nós nos afastamos do disquete quando ele era popular para muitos usuários”, contou. “No lugar de fazer as coisas da maneira mais tradicional de diversificar e minimizar o risco, nós tiramos o drive óptico, o qual algumas pessoas amavam”, continuou o presidente.

E quanto a exemplos mais atuais? “Nós mudamos nosso conector, mesmo que muitas pessoas amassem o conector de 30 pinos. Algumas dessas coisas não eram populares por um tempo considerável. Mas você tem que estar disposto a perder a vista da praia e ir. Nós ainda fazemos isso”.

Será mesmo?

Não há como negar que, ao menos parcialmente, Cook tem um bom ponto. Atualmente, o mercado de PCs sofre porque companhias e empresas não quiseram investir nas melhorias pequenas. Mas mesmo a companhia de Bill Gates trouxe um bom número de propostas arriscadas, como foi o caso da interface Metro do Windows 8 ou as HoloLens.

Enquanto isso, A Apple permanece em uma situação bastante estática – afinal, como o próprio Tim Cook falou, uma de suas maiores novidades foi a mudança no conector de seus smartphones, e não um grande novo aparelho. E mesmo o Apple Watch, que é uma das promessas da Maçã para este ano, não é exatamente novidade frente outros smartwatches.

Novamente, para Cook, a aposta da empresa é outra. “O que nós fazemos é tentar esconder toda a complexidade do usuário. Nós escondemos o fato de que fazer isso pede uma engenharia bastante difícil para que o usuário possa seguir seus dias e usar nossas ferramentas da maneira que eles iriam querer e não ter que se preocupar com isso.

Seja como for, o fato é que os planos da empresa funcionam, e muito bem, gerando enormes lucros. Mas o CEO também admite que existem falhas na companhia. “Algumas vezes nós não somos perfeitos com isso. Algumas vezes nós não somos. Mas mesmo isso, nós vamos consertar”, falou.