É como dizem por aí: antes tarde do que nunca. Depois de diversos incidentes relacionados ao seu sistema de direção autônoma, o Autopilot, a Tesla finalmente atualizou a plataforma e anunciou diversas mudanças e melhorias que tornam o processo de fazer um carro andar praticamente sozinho um pouco mais seguro.

Depois da morte de Joshua Brown num acidente que foi causado por uma falha de detecção do sistema, a montadora de carros elétricos decidiu que era hora de rever a forma como o Autopilot enxerga o mundo. O CEO da empresa, Elon Musk, anunciou uma série de mudanças que foram feitas no sistema que equipa o Model S e o Model X – a principal delas sendo uma participação maior do radar no sistema de detecção de objetos, que agora possibilita que o carro pegue as vias de acesso para as estradas.

Além disso, o Autopilot agora consegue perceber melhor quando algum carro está entrando na sua faixa, já que “vê” melhor o pisca de outros veículos.

A grande questão é que essas melhorias não foram feitas com a inclusão de novas peças: o sistema de radar sempre existiu nos carros da marca, só que terá uma participação melhor graças a uma alteração feita no software da estrutura de detecção de imagens. O sistema de radar respondia por aproximadamente 30% do processo, enquanto a câmera óptica fazia o restante do serviço. Agora, o trabalho está dividido de forma mais equilibrada.

Agora, por que isso não foi feito antes? A Tesla explica: “Depois de uma consideração cuidadosa, acreditamos que o radar pode ser usado como o sensor primário sem necessitar da câmera para confirmar o reconhecimento visual. É um problema trivial e nada intuitivo em função de como o mundo parece estranho através do radar. Os fótons passam facilmente através da neblina, poeira, chuva e neve, mas qualquer coisa que seja metálica parece um espelho”.

“O radar consegue ver pessoas, mas elas ficam parcialmente transparentes. Coisas feitas de madeira ou plástico, embora opacos para a gente, parecem vidro para o radar. Por outro lado, qualquer superfície metálica relativamente plana não apenas reflete, mas amplifica o sinal de forma muito maior do que seu tamanho verdadeiro”, explica a Tesla em um post feito em seu site.

O que isso significa? Bem, são os chamados “falso positivos”: uma simples latinha no chão, com sua parte côncava virada para o radar, pode parecer um elefante no meio da pista – a questão é como você consegue contornar isso sem que o sistema ative os freios do veículo de forma brusca, sem necessidade. A montadora pretende resolver esse problema com um programa de aprendizagem contínua do sistema, que é feita através da coleta massiva de dados que serão transmitidos entre a frota de veículos.

Em outras palavras: cada carro da Tesla vai marcar pontos de potencial perigo ou de dúvida e enviará essa informação para o restante da frota, até que o sistema reconheça a área como segura ou não e, assim, oriente se os veículos deverão ou não parar.

Sauron, versão automotiva (ou quase isso)

Uma das grandes vantagens de aumentar a participação do radar no processo de identificação de imagens é que ele pode gerar imagens mais nítidas em situações adversas, como chuva, neve e neblina forte – que eram consideradas o “calcanhar de Aquiles” dos sistemas autônomos. O radar que equipa os carros da Tesla, na verdade, conseguem até “limpar” algumas ondas para tornar a “visão” do carro mais clara ao ponto de conseguir até mesmo contornar um veículo que esteja a frente do seu.

O resultado é que, caso o motorista da dianteira suba no freio de repente, o sistema da Tesla já terá antecipado o possível perigo e estará preparado para frear ou desviar do obstáculo. É claro que isso não significa que o Autopilot atingiu o nirvana da direção autônoma – na verdade, longe disso, já que o próprio Elon Musk disse que não existe essa coisa de “segurança absoluta”.

Ainda assim, cada pequeno passo é um avanço e, quem sabe, Musk e a Tesla consigam diminuir suas dores de cabeça e também consigam segurar um pouco o ímpeto daqueles que querem, a qualquer custo, postergar o máximo possível a chegada de carros elétricos e autônomos ao mercado.

Cupons de desconto TecMundo: