(Fonte da imagem: Divulgação/Apple)

A morte de Steve Jobs caiu como uma bomba no mundo da tecnologia, tendo uma enorme repercussão. Depois de todas as homenagens dos meios de comunicação, ontem (30 de outubro), a irmã biológica do empresário publicou um artigo no The New York Times expondo um pouco mais sobre a vida e o jeito do cofundador da Apple.

Segundo Mona Simpson, filha dos pais biológicos de Jobs, seu irmão adorava fazer longas caminhadas. Após se conhecerem, quando ela tinha 25 anos, a escritora disse que os passeios a pé dos dois foram uma importante forma de eles virarem amigos.

O jeito Jobs de ser

Sobre sua forma peculiar de se vestir, a autora expôs, de forma irônica, que na casa do irmão em Palo Alto “existem blusas pretas com gola rolê suficientes para todos os frequentadores de uma igreja".

Sua visão sobre estética também não era convencional. Para o empresário, “a moda é o que parece bonito agora, mas será visto como feio mais tarde; a arte pode ser feia no começo, mas se torna bela com o tempo”, comentou Mona Simpson.

(Fonte da imagem: Wikimedia Commons)

De acordo com sua irmã, Steve Jobs era humilde, adorava viajar para esquiar e gostava de estar sempre aprendendo algo novo. Ele até teria contado a ela que quase se tornou um matemático. Apesar de não aparentar ser muito amoroso, o visionário empreendedor falava muito sobre amor e era um pai presente, sempre querendo saber sobre as atividades e aventuras dos filhos.

Contudo, mesmo quando estava debilitado, Jobs não conseguia parar de explorar sua criatividade para os negócios. “Intubado, quando não podia falar, ele pediu um bloco de notas. Ele esboçou dispositivos para segurar um iPad em uma cama de hospital”, explicitou a autora.

Nem tudo foi felicidade

O texto descreve alguns momentos que magoaram Steve Jobs. Um dos que mais o teria marcado foi sua demissão da Maçã. “Quando ele foi expulso da Apple, as coisas foram dolorosas. Ele me contou sobre um jantar em que 500 líderes do Vale do Silício conheceram o presidente. Steve não foi convidado”, escreveu Simpson.

Últimas palavras

As revelações de Mona Simpson têm vários momentos emocionantes, uma característica muito presente no estado de espírito de Jobs, segundo ela. A autora conta como a mente pensante da Apple sofreu com sua doença.

“Eu me lembro do meu irmão aprendendo a andar de novo, em uma cadeira. Depois de seu transplante de fígado, uma vez por dia ele se levantava em suas pernas, que pareciam muito finas para carregá-lo. (...) Ele contava os passos e, a cada dia, progredia mais um pouco”, comentou ela.

Em uma conversa com tom de despedida, Jobs teria dito à irmã que sentia muito por não terem a chance de envelhecerem juntos, como haviam planejado, mas que ela não deveria se preocupar, pois ele estaria em um lugar melhor.

Após dias em um estado complicado, Steve Jobs teria pedido aos familiares mais próximos (esposa, irmãos e filhos) que estivessem ao seu lado em seus últimos suspiros. Suas últimas palavras teriam sido “OH WOW. OH WOW. OH WOW”, escreveu Simpson.