Talvez você não saiba, mas o SPAM nasceu em 1937. Obviamente, não estamos falando dos emails inconvenientes que pareciam uma praga insuperável da internet há alguns anos, mas do produto que deu origem ao termo usado para descrever esse tipo de mensagem. E você sabe como o nome de uma comida enlatada foi parar na internet?

Há 80 anos, em um dia 5 de julho, a empresa alimentícia George A. Hormel & Company lança nos Estados Unidos um novo produto: a carne de porco enlatada SPAM. Feito de ombro de porco, o alimento inicialmente se chamou Hormel Spiced Meat, mas o nome foi mudado para SPAM após um concurso que rendeu US$ 100 ao seu vencedor.

A partir da mudança, vários significados já foram dados à sigla. O oficial, segundo um porta-voz da empresa, é “ombro suíno e presunto” (shoulder pork and ham), mas algumas pessoas afirmavam que SPAM seria um acrônimo para “algo se passando por carne” (something posing as meat), destacando toda a excentricidade do produto.

SPAM: a carne enlatada que deu origem ao termo usado para definir os emails inconvenientes

Pouco convencional e sucesso absoluto

Apesar de pouco convencional — afinal, a carne do ombro do porco normalmente era jogada fora por ser muito gorda (não o suficiente para virar bacon), as latas de SPAM foram um sucesso. Vendidas a 10 centavos de dólar, elas serviam de alternativa acessível para um país que ainda se recuperava da Grande Depressão dos anos 1930 — e o sucesso internacional veio de vez com a chegada da Segunda Guerra Mundial, em 1939.

A partir daí o SPAM começou a ser importado e estima-se que a Hormel & Company enviou 45 milhões de toneladas para a Europa durante o conflito. Quando os soldados voltaram para as suas casas, as latas de SPAM continuaram fazendo sucesso, mantendo a sua fabricante a pleno vapor. A companhia chegou a lançar diversas variações do produto, com outros temperos ou mais saudáveis, com menos sódio e gordura. Atualmente, são 15 versões vendidas em 44 países.

De comida enlatada para emails não solicitados

A ponte entre o SPAM (o alimento) e o spam (os emails inconvenientes) é o grupo de humor britânico Monty Phyton. Um esquete da turma apresentada ainda em dezembro de 1970 tirava sarro da onipresença das latas de SPAM: um casal chega em um restaurante e, ao solicitar o menu ao atendente, ouve que basicamente tudo é feito com a carne de ombro de porco enlatada da Hormel.

Quando os emails não solicitados com conteúdo publicitário começaram a tomar conta da internet no início dos anos 1990, a alvorada da internet comercial, a analogia coube perfeitamente para definir algo que está em praticamente todos os lugares. A nossa sorte é que as tecnologias dos serviços de email estão cada vez mais apuradas a fim de evitar que essas mensagens voltem a assombrar as caixas de entrada de todo o mundo.