A obsessão pelos 15 minutos de fama atingiu níveis inimagináveis na era das mídias sociais. Todos já ouvimos falar dos casos em que pessoas atrás da “selfie perfeita”, ou a que atrai muitos olhares e curtidas, acabaram se arriscando demais e perdendo a vida. Aparentemente, não foram casos isolados, e a primeira estatística em torno do tema apontou que ao menos 259 pessoas morreram por esse motivo, desde 2011.

O número foi publicado pelos pesquisadores da All India Institute of Medical Science, em uma revista científica. A pesquisa teve como base reportagens oficiais divulgadas em todo o mundo entre o período de outubro de 2011 até novembro de 2017. Foi apontado também que a maioria dos casos ocorreram na Índia, seguido de Rússia, Estados Unidos e Paquistão. Quanto ao perfil das vítimas desse tipo de acidente, uma parte muito expressiva (em torno de 72%) é composta de homens com menos de 30 anos de idade.

Entre as fotos perigosas que levaram à morte estão selfies em grandes alturas, como pontes ou prédios (caso do russo Andrey Retrovsky, da imagem acima, que após ganhar fama com imagens nas alturas, um dia sofreu uma queda de um prédio de nove andares). Há também os que chegam perto demais de animais perigosos ou selvagens e também adolescentes que brincavam de posar com a arma dos pais.