Um estudo conduzido por pesquisadoras da Tilburg University, da Holanda, concluiu que o grau de psicopatia e de neuroticismo em pessoas comprometidas que usam o Tinder é maior do que os usuários solteiros da plataforma. A pesquisa, publicada na revista científica Computers in Human Behavior, ouviu 1.486 pessoas, das quais 22,4% alegaram ter algum tipo de compromisso afetivo.

As cientistas Elisabeth Timmermans, Elien De Calu e Cassandra Alexopoulos ouviram da maioria dos entrevistados que a curiosidade é a grande motivação para que elas se aventurem no app. “Os usuários do Tinder que têm parceiro registram pontuações significativamente mais altas no uso do app por curiosidade”, escreve Timmermans, a principal autora do estudo.

Em suma, as autoras apontam que nem sempre a vontade de ter um relacionamento paralelo ao namoro ou casamento é o que motiva alguém a criar um perfil em um aplicativo de namoro.

Mais sexo casual

Se o grau de psicopatia e neuroticismo costuma ser maior, o “sucesso” de pessoas comprometidas no Tinder também é. Segundo a pesquisa, esse tipo de usuário tem mais probabilidade de conseguir sexo casual usando o aplicativo de encontros do que alguém que está solteiro.

“As nossas pesquisas me fazem refletir se os aplicativos de encontros poderiam ser uma ameaça para as relações românticas”, comenta Timmermans. “Obviamente, nossas descobertas são muito preliminares para se chegar a tais conclusões, mas já sugerem que algumas pessoas (ou seja, pessoas com alguns traços de personalidade) podem ser mais suscetíveis a usar apps de encontro por infidelidade do que outras”, complementa a pesquisadora.