Os Estados Unidos terão eleições primárias em 2018 e uma das principais novidades será a tecnologia aplicada ao pleito. Pela primeira vez em sua história, o país norte-americano permitirá que alguns cidadãos votem pelo telefone celular, e o sistema de votação utilizará o aplicativo Voatz, que combina reconhecimento facial e blockchain para garantir a segurança da votação.

“Todos que utilizarem [o Voatz] devem primeiro se registrar tirando uma foto da identidade oficial e um vídeo estilo selfie de seu rosto para, então, enviar tudo pelo aplicativo”, informa uma reportagem da CNN. “O Voatz afirma que o seu software de reconhecimento facial vai garantir que a foto e o vídeo mostram a mesma pessoa”, prossegue.

Como em todo pleito democrático, os votos realizados pelo aplicativo também são anônimos, mas ficam registrados em um livro público digital — o blockchain. A mesma tecnologia já foi aplicada em eleições privadas e, agora, é usada em uma votação para cargos públicos pela primeira vez.

Esse método inovador e prático, entretanto, não estará disponível para qualquer morador de Virgínia Ocidental: segundo a reportagem, ele ficará basicamente restrito a militares em serviço fora do país.

Críticas

Apesar da inovação, nem todo mundo está convencido de que votar pelo telefone móvel e pela internet é uma ótima ideia. Uma das vozes críticas ao projeto é a do chefe de tecnologia do Centro de Democracia e Tecnologia Joseph Lorenzo.

“Votação mobile é uma ideia terrível”, escreveu Lorenzo em entrevista por email. “Isso é as pessoas votando pela internet em seus dispositivos horríveis do ponto de vista de segurança, por meio de nossas redes horríveis e para servidores difíceis de se manterem seguros sem um registro físico em papel do voto”, completou.

É importante ressaltar que os militares em serviço fora dos EUA não serão obrigados a votar por meio do app — as tradicionais urnas com votos em papel ainda estarão disponíveis para eles.