Um dos grandes desafios para os estúdios de cinema é acertar a campanha de marketing em diferentes mercados, para encontrar a abordagem e a audiência mais adequadas para seus lançamentos. A Netflix tem feito escola nessa área, usando e abusando da inteligência artificial (IA) e de dados de Business Intelligence (BI). Agora, outras companhias também querem tirar proveito da tecnologia para obter melhores resultados: a 20th Century Fox desenvolveu um sistema que pode adivinhar quem é o público e quais suas preferências a partir de análise de dados.

Trailers são o elemento mais crítico das campanhas de marketing para os novos filmes

A novidade usa GPUs NVDIA Tesla P100 funcionando com a nuvem Google Cloud, em uma estrutura de aprendizado profundo com uma biblioteca — neste caso um videoteca — acelerada pelo TensorFlow. Assim, os pesquisadores vêm treinando sua rede neural com centenas de prévias de filmes lançados nos últimos anos e seus milhões de registros de bilheteria.

Dos exemplos são extraídos vários elementos, como temperatura de cor, iluminação, rostos, objetos, cenários, entre outros. “Ao encontrar uma representação adequada desses recursos e ao alimentá-los com um modelo que tem acesso aos registros históricos da audiência dos filmes, é possível encontrar associações não-triviais entre o que há no vídeo e as escolhas futuras do público após os lançamentos nas salas de cinema ou em serviços de streaming ”, afirmam os pesquisadores.

Com isso, esse sistema tem o potencial de ajudar os produtores e executivos a tomarem decisões em diferentes estágios de uma campanha de marketing. "Trailers são o elemento mais crítico das campanhas de marketing para os novos filmes. Eles aumentam a conscientização entre a população geral de espectadores, comunicam o enredo, apresentam os personagens principais e revelam dicas importantes sobre a história, o tom e as escolhas cinematográficas.”

cinema

Como a ferramenta é nova, ainda precisa de muitos ajustes e nem sempre acerta. Os cientistas agora procuram uma maneira de incorporar recursos textuais no software — talvez no próprio material de marketing de um trailer ou até mesmo nos diálogos presentes nos clipes. Isso ampliaria a avaliação da máquina e poderia resultar em uma ferramenta crucial para que a companhia entenda melhor a demografia de sua audiência e a melhor forma de divulgar os longas.