A tumba da rainha Nefertari, do Egito, é um dos locais mais incríveis a registrarem a história do Egito Antigo. Historiadores e arqueólogos afirmam que o local foi construído há cerca de 3.250 anos para abrigar a múmia daquela que seria a principal esposa do faraó Ramesses II, líder egípcio entre 1.279 e 1.213 antes de Cristo.

Ela foi reencontrada em 1904 e, após um longo processo de restauração que durou seis anos a partir de 1986, foi aberta à visitação, mas pode ser visitada apenas por um pequeno grupo de pessoas dispostas a pagar, cada uma, US$ 56 pelo passeio. A presença humana ali aumenta a humidade do local, ampliando também a chance de novas infestações de fungos e bactérias que podem deteriorar as belíssimas pinturas milenares que adornam as paredes da tumba.

Nefertari: Journey to EternityNefertari: Journey to Eternity já pode ser baixado no Steam.

Diante desse cenário, o Conselho Supremo de Antiguidades do Egito resolveu se reunir com especialistas para criar uma réplica virtual da tumba. A ideia, segundo o arqueólogo e ex-ministro de antiguidades do Egito Zahi Hawass, é a de que “um passeio virtual salvará a tumba”. Assim, o Conselho contratou os serviços das empresas Experius VR e Curiosity Stream para que, juntas, elas criassem a experiência de passeio virtual ao túmulo.

Foram dois dias de capturas de imagens em alta resolução e outros dois meses de pós-produção para construir o ambiente tridimensional, revela o site LiveScience. O resultado desse trabalho pode ser baixado gratuitamente no Steam e é uma experiência exclusiva do headset HTC Vive.

Há alguns vídeos de gameplay no YouTube e eles evidenciam o bom trabalho de produção em “transportar” a tumba para o headset de realidade virtual do Steam.