Em um comunicado oficial enviado ao MacRumors hoje (08), a Apple confirmou a autenticidade do código fonte do iOS vazado na última quarta-feira (07) no GitHub. De acordo com a empresa, os segmentos de código realmente representam parte do “iBoot”, uma espécie de Bootloader para os aparelhos móveis da Apple.

Contudo, a companhia explicou que não há motivo para os usuários do iPhone se preocuparem. Primeiramente, trata-se de parte do código do iOS 9, um software mobile defasado que praticamente não é mais utilizado em iPhones ou iPads. A Apple afirma que o iOS 11 já está presente em mais de 65% de seus dispositivos móveis em atividade no mundo, com o iOS 10 abarcando mais 28% e versões anteriores — incluindo o iOS 9 — ficado com apenas 7%.

Em segundo lugar, a empresa detalha que, mesmo com o código da sequência de boot divulgado, hackers não devem ter acesso facilitado ao sistema operacional de iPhones, como era temido. Dessa forma, quem usa aparelhos da empresa estaria teoricamente seguro.

A segurança de nossos produtos propositalmente não depende do sigilo do nosso código

“Parece que código fonte antigo, de três anos atrás, foi vazado, mas a segurança de nossos produtos propositalmente não depende do sigilo do nosso código. Existem várias camadas de proteção em software e hardware embutidas em nossos produtos, e nós sempre incentivamos nossos clientes a atualizar seus aparelhos para a versão mais recente do nosso software para se beneficiarem das mais novas possibilidade de proteção”, diz o comunicado na íntegra.

Especialistas de segurança concordam com a afirmação da Apple, especialmente considerando que o iOS 9 hoje é essencialmente irrelevante no mercado mobile. Mesmo assim, a Apple emitiu um pedido ao GitHub para que tirasse o código do ar, e a plataforma assim o fez.

Cupons de desconto TecMundo: