Nos últimos cinco anos, sempre que a rede digital do Departamento de Defesa dos Estados Unidos foi alvo de ataques, o Exército americano utilizou o sistema DShell para fazer análises forenses detalhadas dessas investidas.

Agora, essa ferramenta está sendo liberada como open source na internet. A ideia é que programadores detectem falhas, sugiram melhorias e construam módulos que auxiliem o Exército a entender a natureza desses ataques e a forma como eles funcionam. Com isso, será possível expandir o conhecimento que os militares têm sobre o assunto, fazendo uso de uma visão diferenciada da funcionalidade da ferramenta.

O esforço de muitos

“O sucesso do DShell até agora tem sido dependente de um limitado grupo de indivíduos motivados dentro do governo. A partir do ano que vem, esse sucesso deve ser o reflexo do esforço de um grupo muito maior, com históricos muito mais diversos, para analisar ciberataques que são comuns a todos nós”, disse William Glodek, chefe do Laboratório de Pesquisa em Segurança de Rede do Exército, em entrevista ao Gizmodo.

É importante salientar que o DShell não é usado para ataques digitais e nem diretamente para a defesa, sendo apenas uma arquitetura de códigos usada para análises. Torná-lo público não acarretará uma fraqueza a ser explorada por indivíduos mal-intencionados que queiram invadir o sistema de defesa americano.

O código foi liberado no dia 17 de dezembro do ano passado. Caso você se interesse em ajudar a desenvolver a ferramenta ou queira apenas dar uma olhada em como o DShell funciona, pode fazer o download gratuitamente no site Github.

Cupons de desconto TecMundo: