(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

Você pode até nunca ter parado para pensar sobre isso, mas tudo o que fazemos na internet (desde acessar um simples site até guardar nossos documentos mais importantes na nuvem) depende da existência e do bom funcionamento dos computadores remotos conhecidos como servidores.

São eles – por vezes chamados de hosts – que armazenam os arquivos de uma página web, guardam os dados de seus perfis em redes sociais, permitem a conversão de endereços de sites em endereços IP (DNS), dão suporte para transações bancárias e prestam diversos outros serviços essenciais para nossa rotina digital.

Nem é preciso comentar sobre os danos diretos e indiretos causados por uma eventual falha nessas máquinas que trabalham ininterruptamente, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Quem já encarou um site fora do ar ou ficou impossibilitado de realizar um pagamento por meio de internet banking sabe bem do que estamos falando. E se você faz parte do grupo de paranoicos que temem o dia em que sua conta no Dropbox amanhecer completamente vazia, parabéns: você acaba de imaginar uma falha crítica no disco rígido de um servidor.

Sendo assim, como assegurar que tais PCs estejam sempre em segurança física e não sofram com interrupções de quaisquer tipos? A resposta é simples: construir uma verdadeira fortaleza protegida contra todo tipo de perigo, capaz de resistir a eventos climáticos (como terremotos e enchentes) e com uma infraestrutura planejada especialmente para armazenar esses gigantes tecnológicos. Sim, estamos falando dos centros de processamento de dados – popularmente conhecidos como datacenters.

(Fonte da imagem: Reprodução/DataService)

Por trás de toda a internet

Mas, afinal de contas, você sabe em detalhes como funciona um datacenter e como é a rotina dos técnicos responsáveis pela minuciosa manutenção de milhares de servidores que armazenam dados tão importantes? Com o intuito de explicar aos nossos leitores de forma mais concreta e aprofundada, o Tecmundo resolveu visitar o campus tecnológico da Locaweb, eleito como o Melhor Datacenter do Brasil pela revista INFO em 2008.

Não é à toa que a Locaweb foi considerada líder em Hosting & Infrastructure Services na América Latina em 2011 pela International Data Corporation (IDC). Com 14 anos de experiência no mercado, a companhia conta com três datacenters (dois no Brasil e um em Miami) equipados com o que há de mais avançado em segurança e tecnologias para armazenamento de dados.

Como você poderá conferir a partir de agora, o prédio localizado na região sul de São Paulo capital é um verdadeiro oásis para os fissurados em computação. Acredite: a experiência de ver o espaço físico por trás do ciberespaço é simplesmente estonteante.

Segurança máxima

Obviamente, segurança é um ponto crucial para qualquer datacenter e a Locaweb parece não poupar esforços para investir nesse quesito. Antes mesmo de entrar no prédio em si, é necessário passar por uma pré-recepção na qual todos os funcionários se identificam com um cartão magnético para atravessar uma porta giratória. Os visitantes, obviamente, também são obrigados a fazer um cadastro e recebem um crachá que só pode ser utilizado uma única vez.

Os mais de 4 mil servidores que compõem o datacenter são divididos em dois andares (sendo um localizado no subsolo do estabelecimento). Cada salão que abriga os computadores é protegido por três portas equipadas com leitores biométricos, impossibilitando a entrada de pessoas não autorizadas. Como se não bastasse, um complexo sistema de vigilância monitora ininterruptamente todo o complexo tecnológico.

Além disso, detectores velocimétricos de fumaça e calor dão conta de prevenir qualquer foco de incêndio que porventura possa surgir no meio das máquinas. Se tais equipamentos realmente detectarem qualquer perigo no ar, gigantes extintores de gás FM200 entram em ação e conseguem extinguir o incêndio em menos de 10 segundos.

Sala dos servidores são protegidas por leitores biométricos (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Prevenção é tudo

Você acha que sua conta de luz anda muito alta? Pois saiba que ela não é nada perto dos gastos que a Locaweb tem com sua quantia massiva de computadores trabalhando sem parar em um ritmo aceleradíssimo. O consumo mensal de energia elétrica por parte dos dois andares repletos de servidores fica por volta de 2 MW – para você ter uma ideia, um computador convencional não puxa mais do que 80 kW por mês.

Para evitar desastres provenientes de interrupções elétricas ou eventuais apagões gerais, os datacenters contam com colossais no-breaks redundantes (se um equipamento falha, o outro dá conta do fornecimento de energia). Contudo, eles só são utilizados durante o período de tempo necessário para a ativação de uma usina composta por cinco geradores, capaz de prover eletricidade para o prédio inteiro durante sete dias ininterruptamente. Tudo é controlado por um software exclusivo e desenvolvido especialmente para a Locaweb.

No-breaks e geradores impedem que as máquinas parem de funcionar caso haja um apagão (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Controle de temperatura

A existência de um rigoroso controle térmico é outro ponto crucial para manter o bom funcionamento de um datacenter, visto que o processamento das máquinas gera um calor capaz de fritar seus próprios componentes internos e gerar um prejuízo incalculável.

A Locaweb conta atualmente com dois sistemas de refrigeração distintos. O primeiro, mais clássico e simples, atua como uma espécie de geladeira, capturando o ar quente proveniente das próprias máquinas, resfriando-o e reutilizando-o através de dutos instalados no piso elevado. O segundo sistema, por sua vez, recebe o nome de “Chiller” e trabalha resfriando a água predial, canalizando-a para os distribuidores de ar frio.

Vale a pena observarmos também que o primeiro sistema conta com seus próprios no-breaks que são acionados em casos de emergência, já que poucos minutos sem refrigeração adequada são o suficiente para que as máquinas gerem calor excessivo.

Dutos instalados no piso elevado conduzem ar frio para manter as máquinas resfriadas (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Conexão de alta qualidade

E o que seria de um bom servidor sem uma boa conexão com a internet? O datacenter da Locaweb conta com uma rede de dados de até 40 Gbps – toda a estrutura de cabeamento é feita através de fibra óptica. Além disso, com o intuito de economizar espaço nos salões, a companhia abriga racks de menor porte com equipamentos de rede em cima das estantes convencionais, economizando custos com os caríssimos cabos de internet.

Além disso, a companhia conta com duas salas responsáveis pelo controle da conexão. Assim, se uma delas apresentar qualquer tipo de erro, a outra está sempre pronta para entrar em ação.

Você deve ter notado que a Locaweb trabalha sempre com um segundo equipamento que será utilizado em caso de falhas no primeiro. É importante observar que esses dispositivos de reserva são ativados periodicamente mesmo se não houver necessidade, para assegurar que não haja surpresa quando eles forem de fato necessários.

Os detalhes que fazem a diferença

Mesmo com todo o cuidado empregado nas máquinas que compõe o datacenter, é normal que alguns equipamentos apresentem pequenos erros e falhas de desempenho. Se isso acontecer, todo o processo de manutenção é bastante ágil e simples. Um pequeno display presente em cada um dos servidores mostra em tempo real se há qualquer tipo de avaria que deve ser conferida pela equipe técnica.

Os no-breaks seguem a mesma tendência, sendo construídos com modularidade HotSwap – termo que designa a capacidade de retirar e substituir componentes de um conjunto eletrônico sem precisar desligá-lo em totalidade. Assim, o simples ato de trocar uma bateria, por exemplo, se torna muito mais rápido e fácil.

E as coisas não param por aí. Grande parte do subsolo do campus que visitamos está atualmente em reforma, e um dos planos da Locaweb é criar uma sala-cofre para armazenamento de servidores que trabalham com dados críticos (informações bancárias ou sigilosas, por exemplo). Tal cômodo, na teoria, seria capaz de resistir até mesmo a um bombardeio e outros “ataques físicos agressivos”. Agora já sabemos para onde correr caso ocorra um apocalipse zumbi.

Baterias de no-breaks organizadas em prateleira, prontas para serem utilizadas (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Concluindo

Como você pôde perceber, não é nada fácil manter um datacenter funcionando. Contudo, tudo é pensado meticulosamente para garantir a maior proteção e estabilidade possível para seus tão preciosos dados digitais.

Agora, ao acessar seus sites prediletos – como o Tecmundo – ou guardar seus documentos em serviços de cloud storage, é bem provável que você sempre se lembre de toda a infraestrutura necessária para que tudo isso funcione (e ficará mais sossegado quanto à segurança de suas informações pessoais).

Confira mais fotos na galeria de imagens abaixo e não deixe de nos contar o que achou do datacenter através dos comentários!

Cupons de desconto TecMundo: