Golpes usam Google Ads para roubar milhões em criptomoedas

1 min de leitura
Imagem de: Golpes usam Google Ads para roubar milhões em criptomoedas
Imagem: sergeitokmakov/Pixabay
Avatar do autor

A Check Point Research (CPR), uma divisão de inteligência em ameaças cibernéticas, divulgou um alerta especial em seu blog nesta quinta-feira (4), alertando usuários de carteiras de criptomoedas sobre um novo tipo de phishing que já conseguiu se apropriar de pelo menos meio milhão de dólares (R$ 2,7 milhões). O que impressiona é o vetor que tem sido utilizado pelos cibercriminosos: ao invés do tradicional email, os criminosos estão usando a pesquisa do Google.

Para iludir suas vítimas, os golpistas colocam aplicativos maliciosos com nomes parecidos com carteiras e plataformas de criptomoedas populares no Google Ads, e levam essas falsas wallets ao topo do mecanismo de busca do Google. Pensando estar em aplicativos reais, como Phantom App, MetaMask e Pancake Swap, diversas vítimas clicam no que pensam ser um site sério, mas que é, na verdade, um link malicioso.

Levadas a um site de phishing que em tudo se parece com o site original da carteira, inclusive marca e mensagens, as vítimas digitam as senhas de suas carteiras, preparando a armadilha para a captura de criptoativos.

Como funciona o golpe no Google Ads?

Fonte: Google/Captura de telaFonte: Google/Captura de telaFonte:  Google 

Os invasores adquirem um anúncio no Google Ads para divulgar um produto falso, mas com um nome que será objeto de busca por pessoas interessadas em carteiras digitais. Quando a pessoa pesquisa "phantom" no Google (veja exemplo acima), o mecanismo exibe o Phantom fake (notem a URL com "n" no final) acima do site real.

Sem perceber, o usuário vai direto para o site de phishing, que é uma réplica do real, onde duas coisas podem acontecer. Ou o usuário informa suas credenciais, que é tudo que o invasor precisa, ou a vítima tenta criar uma nova carteira. Neste último caso, a pessoa é orientada a usar uma senha de recuperação que vai registrá-la em uma carteira controlada pelo invasor, que passará a receber todos os criptoativos que forem colocados ali.