iPhones de ativistas do Bahrein são invadidos pelo Pegasus

1 min de leitura
Imagem de: iPhones de ativistas do Bahrein são invadidos pelo Pegasus
Imagem: Unsplash
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Os iPhones de nove ativistas dos direitos humanos do Bahrein foram hackeados pelo governo local com o programa espião Pegasus, em ataques ocorridos entre outubro de 2019 e fevereiro de 2021. É o que revela uma investigação feita pelo Citizen Lab, divulgada nesta terça-feira (24).

De acordo com a instituição ligada à Universidade de Toronto (Canadá), os telefones foram alvo de ataques de clique zero, que não dependem de nenhuma ação da vítima. A campanha teria se aproveitado de uma vulnerabilidade no iMessage para instalar o spyware do NSO Group.

No relatório, os pesquisadores afirmam que pelo menos um dos celulares monitorados rodava a versão mais recente do iOS. Além disso, o malware israelense conseguiu se infiltrar no dispositivo mesmo com o novo recurso BlastDoor, que seria capaz de reforçar a segurança do mensageiro, segundo a Apple.

Os iPhones mais recentes também podem ser invadidos pelo Pegasus.Os iPhones mais recentes também podem ser invadidos pelo Pegasus.Fonte:  Unsplash 

Por conta da capacidade de burlar a nova ferramenta de proteção disponibilizada pela Maçã, a exploração da vulnerabilidade foi batizada pelos pesquisadores canadenses de “ForcedEntry”. Eles disseram ainda ter avisado a companhia de Cupertino sobre o ataque assim que encontraram as evidências das invasões.

Apple condena ataques

Procurado pelo TechCrunch, o chefe de engenharia e arquitetura de segurança da big tech, Ivan Krstic, condenou os ataques direcionados às pessoas que “buscam tornar o mundo um lugar melhor”. Ele também disse que a empresa tem investido em novas soluções para proteger os usuários, mas não confirmou se a falha no iMessage foi corrigida.

Já o governo do Bahrein negou as acusações, afirmando que são baseadas em “alegações infundadas e conclusões equivocadas”. As autoridades do país também disseram estar empenhadas em “salvaguardar os direitos e liberdades individuais”.

Declaração semelhante foi dada pela dona do Pegasus à Forbes, dizendo não ter tido acesso aos dados do Citizen Lab. Apesar disso, o NSO Group comentou que investigaria as denúncias de uso indevido da ferramenta.