Deputado 'dribla' golpista no Telegram e ainda embolsa R$ 50

3 min de leitura
Imagem de: Deputado 'dribla' golpista no Telegram e ainda embolsa R$ 50
Imagem: wichayada suwanachun/Shutterstock
Avatar do autor

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) conseguiu "driblar" um golpista e embolsou R$ 50 após ser vítima de uma tentativa de golpe no Telegram. O parlamentar contou detalhes sobre o caso na quarta-feira (4) em entrevista à Folha de S.Paulo.

De acordo com Miranda, uma pessoa entrou em contato com ele por mensagem de celular dizendo que era o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia, porém, tinha dito na sexta-feira passada (30), no Twitter, que teve seu celular hackeado e a conta no Telegram invadida.

O golpista pediu uma transferência de R$ 20 mil para Miranda, que resolveu dizer para a pessoa que a transferência bancária custava R$ 50. O político pediu para o criminoso, então, transferir os R$ 50 para que assim ele pudesse repassar os R$ 20 mil.

O criminoso em questão acabou depositando o dinheiro e foi desmascarado por Miranda. "Bandido, comigo não", dizia o áudio enviado pelo parlamentar ao golpista. "Sou muito tranquilo e frio. O cara pediu R$ 20 mil, fui levando ele, dizendo que por causa dos R$ 50 não conseguiria, só na segunda. Estava tentando me livrar dele, aí ele pressionou e mandei depositar. Aí ele depositou", relatou o político à Folha.

Assunto nas redes sociais

O assunto viralizou e rendeu bastante nas redes sociais na manhã desta quinta-feira (5). Muita gente lembrou o fato de que Luis Miranda foi o deputado que esteve na CPI da Covid-19 no Senado e quem revelou que o líder do governo Bolsonaro na câmara, Ricardo Barros (PP-PR), foi apontado pelo próprio presidente da república para tratar de um esquema de corrupção no Ministério da Saúde.

Confira, a seguir, algumas publicações sobre o tema no Twitter.

Crime comum

E esse não foi o primeiro caso de "golpe no golpista" recente. Em maio, uma mulher contou no Facebook o caso de como conseguiu enganar um criminoso que estava se passando por uma amiga no WhatsApp e pedindo R$ 980 emprestados. No final das contas, ela conseguiu embolsar R$ 20.

Esse tipo de crime, que tem-se tornado cada vez mais comum, chama-se account takeover ("roubo de conta", em tradução livre). A partir da chamada engenharia social, que são ações que enganam pessoas, os bandidos conseguem ludibriar as vítimas e se passar por amigos, parentes ou conhecidos para pedir dinheiro emprestado.

O especialista em segurança Fabio Assolini, da Kaspersky, recomenda que é preciso entrar em contato por telefone com a pessoa que pediu dinheiro para confirmar a autenticidade do pedido e tomar medidas de proteção, como ativar a autenticação em dois fatores nos celulares, computadores, e-mails e todas as outras contas.