Zoom compra empresa de segurança para proteger videoconferências

1 min de leitura
Imagem de: Zoom compra empresa de segurança para proteger videoconferências
Avatar do autor

A Zoom, empresa responsável pelo serviço de videoconferências que cresceu em ritmo acelerado com a pandemia do novo coronavírus, anunciou a primeira aquisição de sua história. Ela comprou a Keybase, uma companhia focada em segurança e criptografia.

A tarefa da Keybase será construir uma criptografia de ponta-a-ponta nas ligações em vídeo. Em outras palavras, isso significa que em breve a plataforma terá uma forma de privacidade em que os dados gerados pela ligação e as informações dos usuários não são armazenadas sem codificação em servidores externos, com a chave dos códigos sendo disponibilizada apenas aos envolvidos na ligação.

Entre os produtos lançados, a desenvolvedora já foi responsável por um mensageiro e um serviço de armazenamento de arquivos, o que significa que podemos ver melhorias no Zoom nesses pontos em um futuro próximo.

Correndo contra o tempo

A medida é parte do plano da Zoom de melhorar a privacidade e a proteção dos usuários em um prazo de 90 dias, estipulado a partir de abril deste ano. Ao mesmo tempo em que bombou em popularidade, chegando a 300 milhões de participantes diários em chamadas, a companhia também gerou muitas críticas pelas vulnerabilidades, a falta de privacidade e vazamentos de dados — e prometeu consertar tudo o mais rápido possível.

Os detalhes do sistema de criptografia que será adotado serão revelados em um relatório no final deste mês.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Zoom compra empresa de segurança para proteger videoconferências