Criminosos vem usando drones para levar drogas e celulares para dentro de presídios, com a tecnologia dividindo tal função com pombos e pipas. Apesar de estar se tornando uma prática cada vez mais comum, os servidores dos presídios não têm acesso a tecnologias para evitar a entrada desses veículos no espaço aéreo das prisões e, assim, a solução, muitas vezes, é abatê-los a tiro.

Preocupado com a situação, o governo de São Paulo tem buscado ajuda em outros países. Em nota, o estado afirmou que o secretário da Administração Penitenciária de São Paulo esteve em Israel para conhecer ferramentas de combate a drones.

As soluções vistas englobam vigilância e detecção no perímetro por meio de câmeras preparadas.

Negócio nas alturas

A Polícia Civil prendeu, em maio, um grupo suspeito de fazer parte de uma quadrilha especializada em  entregas via drone dentro de presídios  a cada 1 kg de mercadoria enviada, os acusados receberiam R$ 45 mil.

Se por um lado tem aumentado o número de notícias revelendo o uso criminoso de drones, por outro a  tecnologia está sendo usada também por policiais para monitorar presídios e em ações de agentes, se mostrando ao mesmo tempo uma solução e um problema para as autoridades. 

Cupons de desconto TecMundo: