De acordo com informações da Reuters, a Intel teria escondido as falhas de segurança conhecidas como Spectre e Meltdown que afetam essencialmente todos os seus chips modernos. Segundo cartas enviadas por empresas de tecnologia ao congresso norte-americano esclarecendo a situação, a Intel soube da falha por parte de um alerta da Google seis meses antes do vazamento na web, que ocorreu no início de janeiro.

A Google teria dado um prazo de três meses para a Intel, a ARM e outras fabricantes de chips agirem sobre o problema, e também deixou com que essas companhias informassem as agências de segurança de seus respectivos governos sobre o problema. A Intel, por sua vez, teria justificado o fato de não comunicar o problema em uma oportunidade específica porque achou que não havia necessidade de compartilhar os detalhes do problema, sendo que hackers ainda não haviam o explorado.

Intel teve mais de seis meses para trabalhar em correções para ambas as brechas, mas só agora está enviando gradualmente as atualizações

Só depois que Spectre e Meltdown se tornaram de conhecimento público é que a Intel comunicou a agência norte-americana de segurança digital sobre a situação. É curioso notar que a Intel teve mais de seis meses para trabalhar em correções para ambas as brechas, mas só agora está enviando gradualmente as atualizações, que inclusive podem afetar o desempenho dos chips envolvidos.

Em sua própria carta de esclarecimento, a Microsoft informou que detalhou o problema para diversas empresas desenvolvedoras de softwares antivírus “várias semanas” antes do vazamento. A AMDinformou que a Google chegou a dar prazo extra para as fabricantes de chips corrigirem as falhas antes dela mesma divulgar seus achados na internet.

Cupons de desconto TecMundo: